Contos e Crônicas

Bing Images

“A vida não vale nada se você não tem uma boa história pra contar.”  (Pedro Bial, jornalista

Pois é, meus caros, eu nem sei se minhas histórias valem isso tudo, mas vejam só, ao invés de terminar (mentira, iniciar) o preenchimento da declaração do imposto de renda de minha mulher, que vence no final do maio, estou aqui no word jogando conversa fora sobre gêneros literários…  

Contos rendem crônicas?  Ou seria o contrário? De qualquer maneira, estou falando de dois gêneros literários diferentes, apesar serem quase irmãos. Basicamente, o primeiro conta uma história geralmente curta, de ficção ou não, enquanto o outro fala sobre o cotidiano, num estilo que beira o jornalismo.  

Cresci cercado de crônicas por todos os lados. Meu pai contava os casos da capital (o Rio de Janeiro, óbvio) nos jornais de Campinas. Rubem Braga, Paulo Mendes Campos, Fernando Sabino, Carlos Drummond de Andrade, Nélson Rodrigues e tantos outros foram leitura obrigatória na adolescência. O efeito colateral foi sério: contos, romances, poesias e uma vontade incontrolável de escrever. 

Crônicas geralmente são envolventes, acessíveis, familiares até. Uma celebridade morreu? Crônica nela! O governador roubou e foi cassado? Crônica nele! Qualquer assunto é motivo para uma crônica, não importa se é árido como uma lápide, fogoso como o carnaval, triste como um velório.  

Já os contos são uma espécie de beijo roubado, escreveu um dos meus escritores favoritos, o americano Stephen King, autor de romances e contos de primeira linha.  E ele tem razão, um bom conto pode ser uma surpresa como foi “O homem que falava javanês”, do Lima Barreto, publicado em 1911.  

Contos contam histórias, simples assim. Românticas, policiais, espaciais, urbanas, rurais, o que você imaginar. O homem conta histórias desde a época das cavernas, quando desenhava nas paredes como tinha sido a caçada do dia. Com o passar do tempo, as histórias (verídicas ou não) que eram contadas em volta das fogueiras, passaram a ser escritas e hoje são acessíveis a qualquer um. 

Escrever um conto é uma mistura de imaginação, organização e uma boa pitada de inspiração. Contos podem ser geniais, estranhos, assustadores, educativos ou medíocres, não importa, por mais criativo que você tenha sido quando colocou as ideias no papel (monitor? smartphone?), uma parte sua sempre estará lá. Já li em algum lugar que contos são quase nossos filhos.  

Contos ou crônicas? Sem dúvida alguma, fico os dois.