E o futuro, gente?

Pintura: Diego Rivera (1932)

Caramba, o que está acontecendo com o Brasil? Ou melhor, com os brasileiros? Quanta energia jogada fora! No domingo o pau comeu entre a turma que acha que o 31 de março de 1964 foi um golpe e os que acreditam em uma revolução redentora. Na segunda começou o mimimi sobre o nazismo: é de esquerda ou direita? Gente, vamos baixar o facho. Estamos olhando para trás, para fatos ocorridos no Século 20, há exatos 55 e 86 anos! Vocês não tem um prato para lavar ou uma calça para passar em casa? Jornalistas, analistas, sociólogos, políticos, filósofos, professores, militares, todo mundo olhando para o passado. Acabou, gente, o tempo passou na janela e os brasileiros do Século 21 não viram (e tem raiva de quem viu). Lembrem-se que viagens no tempo ainda são fisicamente impossíveis e nosso caminho, aliás, o de toda a humanidade, é para a frente, buscando um futuro melhor. É válido e obrigatório conhecer nossa história, admitir os erros e lutar por tempos melhores. Mas do jeito que estamos, daqui a pouco vamos nos odiar por causa, sei lá, da Guerra do Paraguai, que este ano completa 155 anos. Bom senso, meus amigos e calma, muita calma nessa hora. Ainda dá tempo de pensar no futuro do Brasil.

Morro de vergonha

Arte: Brian Stauffer

Morri de vergonha quando vi a prisão do quinto ex-governador do Estado do Rio, todos por corrupção. Cinco! Deve ser um recorde mundial, digno (na verdade, indigno) de constar no Guiness. Mas eles não estão sozinhos. Dois ex-presidentes, uma penca de deputados da Alerj, prefeitos, ministros, secretários, assessores, vereadores, empresários, caramba, a lista não tem fim! Senti vergonha, sim. De ser brasileiro e carioca. Não levamos eleições a sério, nem hoje, nem nunca. Eleição é tratada como um jogo de futebol, uma obrigação chata que, para quem mora no Rio, acaba atrapalhando a praia.

Votamos mal porque um parente pediu, um vizinho recomendou, um amigo avalizou. Votamos mal porque o candidato nos dá telhas para o telhado de casa, promete uma assessoria para nossos filhos, contratos milionários e certos para nossas empresas nas licitações das prefeituras. Votamos mal porque, talvez, sejamos tão corruptos quanto os canalhas que acabaram com a economia do nosso Estado do Rio, com a Segurança Pública, com a Educação e a Saúde. Vocês já perceberam como nossas cidades estão quase todas na miséria?

Pois é… Cinco governadores! Morro de vergonha.

Somos bárbaros

Candido Portinari (A Criança Morta)

Mas que humanidade é essa? Será que estamos precisando de uma reedição da segunda guerra mundial para aplacar as bestas que tomaram conta de nossas mentes e almas? Reconstruir os campos de concentração para exterminar todos os que pensam diferente de nós? Trazer de volta a doença, a fome, a sede, a miséria e morte? É esse o empoderamento que tanto falam?

Não me conformo com o massacre da escola de Suzano, os oito mortos, os dez feridos, as centenas de crianças que vão carregar para sempre um trauma horrível, conhecer a morte tão cedo, na sua frente, cega e implacável. Um dos dois atiradores tinha apenas 16 anos, tão jovem quanto suas vítimas. Qual o sentido de tudo isso?

Não me venham com papo de liberação de armas, apologia à violência. Isso tudo existe há muito tempo, quando descobrimos que matar o próximo era possível, desde que em nome do Rei, do Estado, da Lei, da Ordem, da Moral, da Religião, do Partido, da Inveja, do Preconceito, da Ignorância,de tudo! Atentados à escolas ocorrem no mundo inteiro, inclusive aqui no Brasil. Tomamos alguma atitude? Que nada, ainda estamos discutindo abobrinhas, em gênero, número e grau.

Enquanto isso, crianças morrem. Até quando, Meu Deus, vamos aceitar passivamente tamanha barbaridade? Quando trouxerem de volta a segunda guerra mundial, por favor, não se esqueçam das bombas atômicas. Talvez elas deem um jeito em nossa desumanidade.

Ano: 2050

Foto: Nattanam726/Shutterstock

Em 2050 a população do planeta chegará ao espantoso número de 9.6 bilhões de pessoas. A expectativa de vida média será de 76 anos. A Índia será o país mais populoso do mundo, enquanto a Europa registrará um decréscimo demográfico de 14%.

Em 2050, 7.2 bilhões de pessoas (75%) viverão em cidades, com as preocupações de sempre: saúde, transporte, educação, segurança e gerenciamento de emergências. Cidades pequenas e médias serão engolidas por cidades cada vez maiores, as megacidades. Dois terços dessas grandes cidades estarão localizadas em países subdesenvolvidos.

Em 2050, 3 bilhões de pessoas viverão em situação de pobreza, morando em locais sem água potável, saneamento, eletricidade, saúde e educação. Cidades imensas degradadas, possivelmente sem governo de fato. Convivendo com epidemias, violência e miséria. E, como atualmente, migrando de um lugar para outro em busca de esperança de vida.

Em 2050, mais de 65 milhões de idosos representarão quase 29% da população brasileira. Como a taxa de fecundidade vem caindo desde 1970, o índice de filhos por mulher chegará a 1,50 e, já em 2030, o Brasil irremediavelmente será um país velho.

Em 2050 terei 100 anos de idade, possivelmente não estarei por aqui, mas não é por isso que vou virar para o lado e fazer de conta que o futuro não é comigo. É bom lembrar que o quadro acima não leva em conta nenhuma anormalidade, como um desastre climático, uma guerra nuclear, uma pandemia letal ou um apocalipse espacial.

Todos os números citados, com exceção do meu centenário, são divulgados exaustivamente pela ONU, Unesco, IBGE e derivados (no presente, por óbvio). Não se trata de futurologia, é claro. É um assunto sério, envolvendo nossos descendentes e, principalmente, o futuro do planeta.

Lembrem-se, só faltam 31 anos para 2050…

Pequenas distrações

Gil Elvgren (Belle Ringer 1941)

Atire a primeira pedra: quem nunca foi para o trabalho com o controle remoto da TV ou o telefone sem fio na bolsa? Ou colocou o leite no copo e jogou a caixa de leite, cheiinha, na lata de lixo? Se arrumou toda para um evento social e se mandou com as sandálias havaianas?

Pôs a água para ferver, esqueceu da vida e a água evaporou. Repetiu a operação e esqueceu novamente! Saiu de casa correndo, debaixo da maior chuva e não conseguiu abrir a porta do carro. Viu que pegou a chave do marido, voltou para casa e retornou com a chave do carro do filho. E tome chuva!

Foi fazer o exercício diário na praia com a camiseta do lado do avesso. Preparou um café na Bialetti sem água no recipiente próprio. E pior, no supermercado, ao invés do açúcar, comprou sabão em pó. Saiu de carro e voltou de ônibus. Duas vezes. Revirou a casa inteira atrás do celular, que só foi localizado na manhã seguinte, dentro da geladeira.

Entrou na fila do banco: quando chegou no caixa descobriu que não tinha levado o dinheiro que ia depositar. Resolveu tomar uma chuveirada e esqueceu de tirar os óculos. Trinta anos de casados depois, pergunta para o marido qual o dia do seu aniversário. Deixa a carteira com dinheiro e documentos no médico. No dentista. No oculista. No restaurante. No açougue. Na padaria.

Salta do ônibus no ponto errado. E piora, porque aí descobre que embarcou no ônibus errado. Reclama do troco quando pagou com o cartão de débito. Ou o de crédito. Deixa o filho esperando no colégio. Deixa a filha esperando na academia. Deixa o marido de castigo na porta do shopping. Sai de casa com a câmera fotográfica compacta ao invés do celular.

Bateu a porta de casa, deixando as chaves do lado de dentro. Bateu a porta do carro, deixando as chaves do lado de dentro. Bateu a porta do trabalho, deixando as chaves do lado de dentro. Tocou a campainha de casa, com as chaves nas mãos. Tentou abrir a porta da casa do vizinho com suas chaves. Duas ou três vezes.

Coloca uma meia de cada cor, atravessa a rua sem olhar o semáforo, para na banca de jornal para folhear uma revista, gosta de um artigo e leva sem pagar. Usa os óculos do marido e entra em pânico porque não está enxergando nada. Está sempre em dúvida se já tomou a medicação diária para a memória.

É como diz uma amiga, não está fácil para ninguém.

Carlos Emerson Jr. (Junho/2015)

Fuzil

Foto: Robert Capa

Aí você prepara a pipoca no micro-ondas, liga a TV, senta na velha e aconchegante poltrona, aproveita que a patroa não está em casa e coloca os pés na mesinha de centro de estimação e quase tem um “treco” quando a apresentadora do programa de entrevistas afirma para o governador recém-eleito que um homem com um fuzil nas mãos, em plena via pública, não pode ser considerado uma ameaça, um risco à segurança de terceiros.

Mas piora. Para tentar justificar a sandice, a emissora chama uma “cientista política” que candidamente explica que “as políticas de seguranças estimulam a compra de mais fuzis pela bandidagem, para combater os fuzis das forças de segurança.” (Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=1ZK58NlOPXM). Decididamente essa gente não tem a menor noção do que é um fuzil, além de “desconhecer” a Lei 13.497/2017, que qualifica a posse desse tipo de armamento como crime hediondo.

Quando estava no Exército o uso de um fuzil era cercado de muito treinamento, conhecimento profundo de toda a sua estrutura (desmontar, limpar e remontar) e responsabilidade pela arma e cada cartucho de munição usado. Após seu uso eram todos recolhidos a um paiol, devidamente trancado e guardado. Fuzis são armas de guerra, feitos para matar o inimigo. Seu emprego é controlado, sua operação restrita e, principalmente, seu porte jamais deve ser visto como atividade “sem riscos”, até mesmo (e principalmente) por militares. Por favor, não repitam qualquer bobagem que ouvirem por aí, principalmente se vocês forem da grande mídia.

Pega muito mal.

oOo

A foto que ilustra o post é de autoria do renomado fotógrafo húngaro Robert Capa (Endre Ernő Friedmann). Foi tirada em Córdoba, em setembro de 1936, em plena Guerra Civil Espanhola.

Dois de setembro

Em uma noite o Brasil, o Rio de Janeiro e todos nós perdemos um pouco de nossa História, Cultura e Ciência. Em uma noite perdi parte de minha infância, da minha educação, de minha brasilidade. O incêndio que destruiu o Museu Nacional acabou sendo o legado, um infeliz símbolo das verbas públicas e privadas desviadas para fins escusos por políticos e empresas dos mais diversos matizes. Um símbolo da vaidade que norteou as fortunas aplicadas na Copa do Mundo de 2014, nos Jogos Olímpicos de 2016 e nas inevitáveis obras de embelezamento do Rio. O incêndio levou o Palácio Imperial do Brasil, onde foi assinada a nossa independência, em 1822. Independência para quê, incendiar a História? Os bombeiros não tinham água para apagar o fogo. O prefeito do Rio, como era de se esperar, não deu as caras. O governador, acuado no Palácio Laranjeiras, idem. Nenhuma autoridade, aliás. Pessoas choravam, assistindo uma parte da cidade e do país ardendo nas chamas.

Temo que o incêndio, indiferente e impiedoso, tenha levado de vez o nosso futuro.

Foto: TV Globo

Ilusões perdidas

Mais uma eleição, mais esperanças de dias melhores e, com certeza, mais decepções, quadro que vem se repetindo desde que, criança ainda, vivi a campanha de Jânio Quadros, aquele mesmo que renunciou sete meses após a posse, pressionado por “forças ocultas”. Aliás, bem que meu pai brincava que essas tais forças ocultas deixavam uma ressaca das bravas…

Daí para frente, ou melhor, de 1960 em diante, não demos uma dentro. Jango Goulart,seu vice que assumiu em seguida, fez um governo panfletário, tentou ser reformista, coisa que ele nunca foi e deu no que deu, um longo período de governos militares de triste memória. No período de 1964 até 1985, 21 anos portanto, tivemos cinco presidentes eleitos indiretamente pelo Congresso e, de brinde, uma Junta Provisória com os comandantes das três forças armadas.

Mas a confusão não acabou aí: Tancredo Neves, morreu antes de tomar posse, assumindo o imortal (mesmo) José Sarney, que passou todo o seu mandato brigando com uma inflação descontrolada. Seu legado foi a eleição do Fernando Collor, também conhecido como Caçador de Marajás, cuja medida de maior impacto foi o ataque às cadernetas de poupança!

Itamar Franco focou no básico e passou a faixa do trono, perdão, presidencial para Fernando Henrique Cardoso, o FHC que, vaidoso e muito inteligente, inventou a reeleição dos cargos executivos, inclusive (e principalmente) o dele. Foi sucedido pelo Luís Inácio da Silva, o Lula, que pretendia levar os pobres ao paraíso, Dilma Rousseff, o poste, perdão, a presidenta das pedaladas e, finalmente, o vice Michel Temer, a unanimidade que dispensa comentários: ninguém gosta!

Resumindo a ópera, de 1960 até hoje, foram eleitos, das mais diversas formas, 14 presidentes. Um renunciou, outro foi deposto, dois foram cassados e um morreu. O mais famoso de todos, segundo ele mesmo, está condenado e preso. Seis presidentes, quase a metade, foram defenestrados. O que significaria isso? Não sabemos votar? Nossa democracia ainda é uma criança? Ou somos todos idiotas e acreditamos em Papai Noel, Coelhinho da Páscoa e em Salvadores da Pátria?

O quadro para a eleição deste ano é confuso, deplorável e mostra inequivocamente que não temos saída, se é que já tivemos algum dia. O que fazer? Votar no menos pior? Isso aí, meus caros leitores, eu já ouvia a uns cem anos atrás. Aliás, vamos ser sinceros, nós sempre votamos no menos pior! E olhem só no que deu…

Sinto muito, mas não dá para terminar essa crônica com nenhum otimismo, esperança ou sequer ilusão. Apesar da lava-jato e a indignação e revolta geral contra os absurdos abusos da turma da Praça dos Três Poderes, o sistema político vem sendo blindado e deve resistir a qualquer tentativa de mudanças estruturais profundas, não importa de que ideologia venha. Ainda vai levar muito tempo para acreditar que temos realmente uma democracia neste país.

Texto e foto: Carlos Emerson Junior

Paradoxo de Fermi ou o sumiço das lixeiras da Urca

No dia 20 de maio de 1950, a revista norte-americana “The New Yorker” publicou uma charge do cartunista Alan Dunn, colocando a culpa pelo sumiço das latas de lixo da prefeitura da cidade de Nova York em simpáticos alienígenas. Aliás, confesso que pensei algo parecido quando, em 2017, as latas de lixo laranjinhas desapareceram do dia para a noite do bairro da Urca, no Rio.

Quatro físicos do Laboratório Nacional de Los Alamos, nos Estados Unidos, vão almoçar juntos. Enrico Fermi, Emil Konopinski, Edward Teller e Herbert York comentam a crescente onda de avistamentos de OVNIs e, é claro, a charge com os felizes ETs e suas lixeiras novaiorquinas. De repente, Fermi faz uma pergunta: “onde está todo mundo”, que acabou dando origem ao famoso paradoxo, a “contradição entre a probabilidade de existência de civilizações extraterrestres e a falta de evidências para, ou contato com, tais civilizações”.

É bom lembrar que isso aconteceu em 1950 e até hoje, julho de 2018, 68 anos depois e muita tecnologia e conhecimento disponível, nada mudou. Radiotelescópios varrem estrelas, galáxias, pulsares, buracos negros, exoplanetas e estrelas de neutron à procura de sinais alienígenas. Aliás, em 1974 um deles, o de Arecibo, transmitiu enviou uma mensagem codificada com dados de nossa civilização, na direção de uma galáxia distante 25 mil anos luz, com estimadas 300 mil estrelas. Apesar de todo o esforço, continuamos escutando apenas o silêncio.

Enrico Fermi trabalhou no desenvolvimento do primeiro reator nuclear, teoria quântica e mecânica estatística. Ganhou o Nobel de Física em 1938, quando ainda morava na Itália. Emigrou para os Estados Unidos e participou do Projeto Manhattan, que fez a primeira bomba atômica. Morreu de câncer, prematuramente, em 1954. Em um de seus últimos textos deixou um alerta sobre o uso da nova arma e torcia “que o homem se tornasse suficientemente adulto para fazer bom uso dos poderes que ele adquiriu da natureza.”

Pelo que temos vivido e, principalmente, o tamanho dos arsenais nucleares, será muito mais fácil encontrar um ET do que serenidade e bom senso em humanos.

Onda verde

Foto: Carlos Emerson Junior

Na época da Rio+20 , lá no ano de 2012, recebi a historinha abaixo por e-mail, de autor ignorado, ilustrando como a nossa sociedade consome e descarta em ritmo acelerado, sem medir ou sequer ter noção de suas consequências. Quando deixamos que a situação fugisse do controle, jamais imaginamos que o futuro chegaria tão cedo, cobrando o preço de nossa imprevidência. Rendeu até uma crônica no jornal A Voz da Serra, daqui de Nova Friburgo.

Divirtam-se!

*****

“Na fila do supermercado, o caixa diz uma senhora idosa:

– A senhora deveria trazer suas próprias sacolas para as compras, uma vez que sacos de plástico não são amigáveis ao meio ambiente.

A senhora pediu desculpas e disse:

– Não havia essa onda verde no meu tempo.

O empregado respondeu:

– Esse é exatamente o nosso problema hoje, minha senhora. Sua geração não se preocupou o suficiente com nosso meio ambiente.

A velha senhora suspira profundamente e fala:

– Você está certo, a minha nossa geração não se preocupou adequadamente com o meio ambiente. Naquela época, as garrafas de leite, refrigerante e cerveja eram retornáveis: a loja mandava de volta para a fábrica, onde eram lavadas e esterilizadas antes de cada reuso.

– Subíamos as escadas, porque não havia escadas rolantes nas lojas e nos escritórios. Caminhamos até o comércio, ao invés de usar o nosso carro de 300 cavalos de potência cada vez que precisamos ir a dois quarteirões. Mas você está certo. Nós não nos preocupávamos com o meio ambiente.

– Até então, as fraldas de bebês eram lavadas, porque não havia fraldas descartáveis. A secagem era feita por nós mesmos, não nestas máquinas bamboleantes de 220 volts. A energia solar e eólica é que realmente secavam nossas roupas. Os meninos pequenos usavam as roupas que tinham sido de seus irmãos mais velhos e não roupas sempre novas. Mas é verdade: não havia preocupação com o meio ambiente.

– Naquela época tínhamos somente uma TV ou rádio em casa, e não uma em cada quarto. Na cozinha, batíamos tudo com as mãos porque não havia máquinas elétricas, que fazem tudo por nós. Quando embalávamos algo um pouco mais frágil para o correio, usávamos jornal amassado para protegê-lo, não plastico bolha ou pellets de plástico que duram cinco séculos para começar a degradar.

– Bebíamos água diretamente da fonte, em vez de usar copos plásticos e garrafas pet que agora lotam os oceanos. Recarregávamos as canetas com tinta umas tantas vezes ao invés de comprar uma outra. Abandonamos as navalhas, ao invés de jogar fora todos os aparelhos descartáveis e poluentes só porque a lamina ficou sem corte.

– Na verdade, tivemos uma onda verde naquela época. Naqueles dias, as pessoas tomavam o bonde ou ônibus e os meninos iam em suas bicicletas ou a pé para a escola, ao invés de usar a mãe como um serviço de táxi 24 horas. Tínhamos só uma tomada em cada quarto, e não um quadro de tomadas em cada parede para alimentar uma dúzia de aparelhos. E nós não precisávamos de um GPS para receber sinais de satélites a milhas de distância no espaço, só para encontrar a pizzaria mais próxima.

– Por tudo isso, meu jovem, é risível que hoje se fale tanto em meio ambiente, mas ninguém pense em abrir mão de nada e muito menos viver um pouco como na minha época.”

Carlos Emerson Junior (2012/2018)

Ódio

Foto: Carlos Emerson Junior

No poste tinha uma palavra, “hate”, ódio em inglês. Como sei que postes não odeiam ninguém, claro fica que alguém foi lá e escreveu. Não sei se o ódio desse alguém é com a nossa língua, com o próprio poste ou a humanidade em geral. Posso estar enganado, de repente “hate” é apenas uma sigla ou sei lá, a assinatura de um artista ainda desconhecido.

Confesso, fiquei cismado. Para que serve o ódio? Seria realmente a antítese do amor? O escritor gaúcho Érico Veríssimo garantia que “o oposto do amor não é o ódio, mas a indiferença.” É… Pode ser. Mas indiferença não faz ninguém escrever “hate” em um poste ou rechear as redes sociais com demonstração de ódio explícito, sem o menor pudor!

Pessoalmente e com toda a sinceridade, acho o ódio um sentimento muito ruim, negativo, desgastante, inútil mesmo. Quando você declara seu ódio, está fechando qualquer tipo de diálogo, conhecimento. Aliás, o francês Sthendal uma vez declarou que “já havia vivido o suficiente para ver que a diferença provoca o ódio.

Pois é, talvez seja por aí. O medo também é associado ao ódio e tudo isso vem do desconhecimento e, porque não, da falta de empatia e respeito entre seres ditos humanos. Perseguições de raças, religiões, culturas, comportamentos, caramba, acho que isso existe desde que o homem saiu das cavernas.

Lamentavelmente, em pleno século 21, com toda a tecnologia disponível para nos unir em todos os cantos do planeta, cada vez mais nos refugiamos em nossos cantinhos, amargurados até o pescoço, odiando tudo e todos que nós não entendemos, desconhecemos ou tememos.

Como disse acima, as redes sociais, através das figuras dos políticos, “formadores de opinião”, pastores e que tais, se presta muito bem para disseminar mensagens de ódio como um efeito manada, onde ninguém questiona o que ouve/lê/vê, exatamente porque não sabe ou quer ouvir/ler/ver. Onde foi parar nosso senso crítico, se é que já tivemos algum?

Não, meus caros, não vou me alongar mais por causa de uma palavra em inglês pintada em um poste numa rua deserta das Braunes, aqui em Nova Friburgo. Prefiro encerrar com uma frase do Jorge Luiz Borges, falando de amor, que é tudo o que nos resta, no fim das contas:

“Parece-me fácil viver sem ódio, coisa que nunca senti, mas viver sem amor acho impossível.”

Carlos Emerson Junior

Inspiração, cadê você?

Foto: Carlos Emerson Jr.

Da janela do meu escritório eu vejo o Caledônia. Por cima dos telhados das casas, muito além da antena da Rádio Friburgo e, nesses dias de março, sempre enevoado e chuvoso. No outono o sol bate forte pela manhã e a rocha fica que nem ferrugem, contrastando com o céu bem azul e limpo.

Essa é a minha janela. Coloquei a escrivaninha bem ao lado dela. Meu desktop, as anotações, rascunhos, fotos, telefones, o pendrive… Enfim, é aqui que eu trabalho. Inspiração? Com essa vista? Sei não, às vezes atrapalha. Distrai sabe, a gente fica olhando, divagando, agora, por exemplo: a montanha está dentro das nuvens e só vejo a chuva caindo lá pelos lados do Cônego.

Tudo muito cinza, muito escuro. Aliás, com licença que vou baixar o vidro, está batendo um vento gelado! Mas onde eu estava? Ah sim, inspiração! Curiosamente, não conheço a montanha. Dizem que em dias claros, lá do alto podemos ver o Rio e a Baia da Guanabara. Também falam que a subida é fácil, apesar de longa. Talvez um dia…

E lá estou eu fantasiando novamente. As nuvens que rodeiam a montanha agora vem rápido em minha direção. O vento forte faz as janelas baterem e trovões já se fazem ouvir. Vai chover outra vez e eu aqui no escritório, ao lado da janela, precisando escrever um texto, qualquer um!

Inspiração? Onde foi parar você, minha cara? Olhando para a janela, só consigo mesmo é sonhar.

(2008/2018)

Guerras justas?

Foto: Carlos Emerson Jr.

O que seria uma guerra justa? Uma guerra religiosa? Racial? De defesa? Ou de expansão? Civil? Revolucionária? De libertação? Vingança? Retaliação? Segurança? A única saída? A guerra que vai acabar com todas as guerras? Não, decididamente não sei o que é uma guerra justa.

Guerras são imorais, aéticas, selvagens, a barbárie levada ao seu paroxismo. Guerras servem para dominar, exterminar, subjugar e escravizar. Só nos séculos 20 e 21, quase 90 milhões de pessoas morreram em conflitos que vão desde as duas guerras mundiais, até os brutais massacres em nome de sei lá o quê.

A guerra é a falência do ser humano. Se nos consideramos “animais racionais”, matamo-nos com uma fúria não encontrada sequer nos grandes predadores “irracionais”. Chegamos a tal ponto de “sofisticação”, que temos um arsenal nuclear capaz de destruir toda a vida no planeta, pelo menos umas quatro vezes.

O escritor português José Saramago afirmou que “é mais fácil mobilizar os homens para a guerra que para a paz”. De fato, basta ver que a História mostra que os breves intervalos de paz serviram para a preparação das guerras futuras. Aliás, todas as guerras foram declaradas em nome da paz, uma blasfêmia inominável.

Não, a verdade é que não existe guerra justa ou santa. É tudo guerra, trazendo morte, sofrimento e miséria para ambos os lados. Sem vitoriosos, sem honra, sem glória, sem heróis. A guerra é a morte do diálogo, do amor, da empatia, da humanidade. Guerra é nossa maldição, para todo o sempre.

Um amigo

Foto: Carlos Emerson Junior

A caminhada na manhã de hoje, uma segunda feira, mostrou Friburgo ensolarada mas ainda com o resto do frio da madrugada e completamente vazia. Do Sans Souci até o Bairro Ypú, passando pelo Alto das Braunes, Santa Elisa e Catarcione, ônibus, carros e pessoas transitando eram raridades. Parecia um domingo mal colocado, como se o calendário tivesse enlouquecido.

Andei trechos enormes sem cruzar com ninguém. Quase não vi bicicletas, o que é uma pena, a cidade está ótima para elas. Na Praça Marcílio Dias, no Paissandú, reapareceu a civilização, mas muito distante do habitual. Algumas lojas se preparando para abrir, rodinhas em algumas bancas de jornais e um ou outro gato pingado naqueles botequins que nunca fecham.

Na Avenida, aí sim, muita gente aproveitando o sol para se exercitar. Um casal de namorados em um banco à margem do Bengalas, idosos para lá e pra cá, além da turma que sempre traz o cachorro para andar. Voltando para casa, subindo as Braunes, a mesma solidão do início da jornada diária: ninguém nas ladeiras ou na Estácio (não teve aula).

Para não dizer que não conheci ninguém, aí em cima está o amiguinho que não quis conversa comigo na petshop, mas posou como um modelo aqui para o Blog. Gente boa, até a gatinha da loja gosta dele. Em tempos estranhos, difíceis mesmo, uma imagem simpática não tem contraindicação. E se você sorrir, melhor ainda.

Boa semana.

Cedro do Líbano

Foto: Carlos Emerson Jr.
A caminhada-treino de hoje teve um propósito, um destino. Fui até os jardins do Country Clube para ver o Cedro do Líbano, recém-plantado no último dia 5 de maio pelo pessoal da colônia libanesa de Nova Friburgo. Gostei. Uma placa de metal identifica a muda, que está devidamente protegida de seres irracionais e racionais por uma gaiola de ferro. Uma cartaz maior, com os versos do Salmo 92.13 e 15, chama a atenção para o pequeno broto.

Fico aqui, pensando, quanto tempo leva para um Cedro do Líbano crescer. O Google, consultado, não se faz de rogado e informa que é uma árvore grandiosa, de crescimento bem lento, podendo atingir 40 metros de altura e 14 metros de diâmetro no tronco. É o símbolo do Líbano e é citado mais de 70 vezes na Bíblia. Também é chamado de o Cedro de Deus.

Será que algum dia o verei lindo, bonito, imponente, único em nossa cidade? Possivelmente não, mas não importa. Saber que estamos criando um ser vivo que vai durar séculos é, definitivamente, um legado da festa dos nossos 200 anos. Cabe a nós, friburguenses da gema, adoção e coração cuidar, proteger e amar o nosso Cedro do Líbano.

Como o nosso futuro, não é mesmo?

Foto: Carlos Emerson Jr.

Saúde!

 

copacabana 1940

Esse ‘causo’ aconteceu no longínquo e perdido ano de 2015, lá na ex-cidade maravilhosa.

Caminhada no final da tarde na praia, na direção do Posto Seis. Domingo, uma multidão saindo da areia na direção das estações do Metrô e pontos de ônibus e uma outra chegando para tomar um vento e ver as modas, como se falava antigamente, cruzavam animadamente o calçadão, mal dando espaço para andar. E não é figura de linguagem não!

Segurei a mão da minha mulher e lá fomos nós seguindo o fluxo que ia para o sul e desviando do contra fluxo rumo norte. Foi quando meu nariz começou a coçar. Aliás, quem tem rinite sabe o que estou falando. Sem dar tempo sequer de fungar, soltei um espirro de alívio, em alto e bom som que, como efeito colateral, assustou quem ia e vinha pela via. Minha mulher me olhou muito séria, com os olhos arregalados:

– Cara, que susto que você me deu! Precisava espirrar tão alto? Você tremeu tanto que pensei que tinha sido atingindo por uma bala perdida! Não faça mais isso, todo mundo se assustou. Só esse ano mais de 36 pessoas já foram atingidas por balas perdidas e dois casos foram aqui em Copa. Toma juízo!

Para meu espanto, uma pequena roda se abrira e as pessoas, me olhando com curiosidade, pareciam concordar com a bronca. Tá bom, espirrei alto, talvez herança dos espirros escandalosos que meu pai dava, sempre no meio da rua, que me levavam às gargalhadas. Só esqueci que isso foi há mais de 50 anos, quando o Rio ainda era uma cidade risonha e franca, sem balas perdidas, por óbvio.

Bons tempos.

 

Outra Caminhada

E não é que antigas crônicas às vezes não envelhecem? Essa aí de baixo, publicada no jornal A Voz da Serra, de 25 de novembro de 2011, continua atualíssima e ensina um passeio imperdível para friburguenses e turistas. Olha os 200 anos chegando aí, gente!

oOo

Foto: Carlos Emerson Junior

Vamos falar de caminhadas outra vez? E que tal explorar um trajeto todo urbano e com dois atrativos especiais, a vista estonteante da cidade e belíssimas obras de arte, representando figuras importantes da história de Nova Friburgo? Pois é, estou falando da travessia Braunes – Parque Santa Elisa, pela parte alta dos dois bairros.

O ponto de partida é na Estácio de Sá, no Sans Souci. Dali subimos até a rua Visconde Itaboraí e viramos à direita como quem vai para Vargem Alta, sempre seguindo as placas para a Praça da Criança. Pegamos a rua Monerat e chegamos na Praça Alberto da Veiga Guignard, uma homenagem ao pintor mundialmente famoso, nascido no ano de 1896, em Nova Friburgo.

Estamos a 1.010 metros de altura e depois de toda essa subida vale à pena sentar num dos bancos e apreciar a colorida paleta de tintas, obra do artista plastico Felga de Moraes, do grupo Gama. O local é muito tranquilo, silencioso e lembra uma vila do interior.

Agora vem a parte divertida, para baixo! Prepare os joelhos e siga pela rua Sílvio Carestiato com cuidado, já que a ladeira é muito íngreme. Aproveite para curtir as montanhas de Nova Friburgo ao fundo, de um ângulo diferente e, algumas delas, abaixo da nossa linha de visão. Sensacional.

Foto: Carlos Emerson Junior

No final da rua chegamos na Praça da Criança, onde se destaca mais um monumento do Felga, dessa vez homenageando o médico friburguense Galdino do Valle Filho. Para quem não sabe, trata-se do idealizador do “Dia da Criança”, quando foi deputado federal na década de 20. Um mirante permite a visão de quase 180º e uma placa ensina os nomes de todas as montanhas em volta.

A caminhada segue morro abaixo pela rua Boechat, também bastante íngreme, atravessando a mata que ainda é abundante naquele bairro. As ruas são todas asfaltadas e aqui vai uma dica: na primeira bifurcação, pegue a rua Luterback, à esquerda, para evitar o grande transito de veículos na rua Raul Sertã. Ande até a rua Stutz, à direita e comece uma longa e íngreme descida até a Praça Dom João VI, outra criação do Gama, às margens do antigo lago do Parque Santa Elisa.

Foto: Carlos Emerson Junior

Aqui o monumento do Felga, em forma de uma caravela, é dedicado ao homem que tornou possível a colonização de Nova Friburgo. A ideia era recuperar o lago para passar a impressão de um navio no mar mas, nas atuais circunstâncias, essa obra vai ficar para mais tarde. Um outra pequena estátua ao bem ao lado é um tributo à Marinha do Brasil.

Infelizmente o lago está tomado pela vegetação e sofre com a turma sem noção que adora jogar lixo nas vias públicas. Uma pena mesmo. Mas o nosso trajeto não terminou. Vamos prosseguir até o Serraville, descer mais um pouco para a antiga Fábrica Ypú e daí caminhar em direção ao Centro, onde um suco bem gelado será muito bem vindo para repor as energias.

Medidos no GPS, foram 5,2 quilômetros de extensão até a Praça Marcílio Dias, no Paissandu, come a altitude variando de 919 metros na saída lá da Estácio, 1.028 metros no Alto da Braunes, 1.000 metros da Praça das Crianças, 950 metros na Praça Dom João VI e chega, não é mesmo? O trajeto indicado é razoavelmente sinalizado, todo asfaltado ou com paralelepípedos e pouquíssimo trânsito de veículos, pelo menos até o Santa Elisa. Calçadas praticamente inexistem, só aparecendo na descida do Catarcione para o Centro.

É possível fazer todo esse roteiro de carro, até porque nas três praças existem estacionamentos, mas quer uma sugestão? Vá à pé! Além de ser uma caminhada saudável, você vai conhecer uma parte da cidade onde a natureza ainda é respeitada. Aproveite a oportunidade para descobrir pequenos detalhes das ruas e da vista, aqueles que só quem está andando sem pressa, disposto a respirar um ar muito puro e se deixar ser envolvido pela paisagem poderá perceber.

Garanto que você voltará para casa com a alma bem mais leve.

A torre

Foto: Carlos Emerson Junior

Aquilo não podia ser normal. Desde criança, pequeno mesmo, sempre que passava pela torre onde ficava a caixa d’água, parava bem embaixo e ficava olhando para cima, para o topo, querendo adivinhar se algum dia conseguiria a subir até o alto para ver como era o mundo lá do alto.

A medida que ia crescendo, a curiosidade aumentava. Entrar na torre não era tarefa simples. Seus pais, já sabendo da esquisitice, alertaram os funcionários do condomínio para não ficarem de olho: qualquer bobeada e o menino era bem capaz de se mandar escadaria acima.

Secretamente traçava planos para “tomar de assalto” a torre da caixa d’água. Percebeu que à noite, depois que os empregados iam embora, o único impedimento era a porta de acesso ao alojamento e depósito, que ficava na sua base e dava acesso à escadaria, devidamente trancada.

Uma vez tentou: escalou o muro que cercava o condomínio (aproveitando escada de pedreiro esquecida), passou para o teto do cômodo de baixo, olhou para os lados, lembrou da avó e se benzeu, colocou o pé direito no primeiro degrau, segurou com força a lateral, tomou impulso e começou a subida. Mal chegou no terceiro degrau ouviu o grito agudo e imperial da mãe! Pulou fora, em pânico, e só não levou uns cascudos porque sua bendita avó não permitiu.

O tempo passou, a faculdade o formou, uma moça com ele se casou, para uma outra cidade se mudou, uma filha chegou . No entanto, lá longe, nas imagens esquecidas da infância, a torre continuava lá, enorme, inexpugnável, desafiando as alturas, chegando ao céu, a grande aventura proibida. Quando sua mãe faleceu, após o sepultamento e a reunião com os parentes, caminhando pelo velho condomínio onde brincara tanto, deu de cara com ela, desafiadora.

Nunca se soube o que passou pela sua cabeça. Com um pulo, subiu o muro, saltou para a base da escada e, rápido como um raio, subiu com o olhar fixo nos degraus até chegar ao topo, a parte de cima do reservatório de água. Ficou em pé e olhou em volta. Era alto, mas a paisagem, cheia de ruas e casas, era completamente diferente do que esperava encontrar, a grande mata que existiu em algum momento dos anos 80.

Sentou, acendeu um cigarro e foi tomado por uma sensação de alívio. De alguma maneira, tinha exorcizado um fantasma do passado. Um fantasma bobo, é verdade, mas sempre um fantasma. Alguns minutos depois, lembrou-se que a vida continua e resolveu descer. Uma pena que não era uma criança. Teria sido muito mais divertido.

Fim de Ano

Lembre os mortos assassinados, enfermos, acidentados, deprimidos, mutilados, sem esperança. Lembre os infelizes que moram nas ruas, nos cortiços, favelas, saídas de esgotos, lixões, matas. Lembre as crianças magras, famintas, desnutridas, doentes, abandonadas, prostituídas, escravizadas, sem futuro. Lembre os idosos esquecidos em hospitais, asilos, apartamentos, abandonados sem remédios, sem família, sem ninguém. Lembre os desempregados, desesperados, precisando sustentar e dar um mínimo de dignidade para suas famílias. Lembre os mendigos perambulando invisíveis, alguns loucos, implorando um prato de comida, abrigo, calor, bebendo água da chuva e da sarjeta. Lembre os miseráveis, refugiados, discriminados, injustiçados, perdidos, fracassados, conformados, derrotados. Lembre os que desistem e somem para sempre, às vezes até mesmo desta vida. Pois é, lembre também que nessa época do do ano a gente só deseja boas festas.

Desculpem.

Pintura: La Miséria (1886), Cristóbal Rojas

A ponta da baioneta

Sentiu alguma coisa espetando suas costas com força. Tentou se afastar mas o incômodo persistiu, empurrando-o para a frente. Deu um impulso, girou o corpo para trás e, com horror e espanto, viu a baioneta, brilhante e mortal, cortando o ar em sua direção. O movimento seguinte foi rápido e nebuloso. Com o abdômen aberto, de uma ponta a outra, ajoelhou no chão. Curiosamente, não sentia dor. A visão turvou, uma fraqueza enorme fez seu corpo desabar de vez. Só conseguiu balbuciar a clássica expressão:

– O que foi que eu fiz?

Pois é… O assunto é sério e nosso personagem poderia muito bem ter sido vítima de uma baioneta perdida, principalmente se ele estivesse em um campo de batalha da Primeira Guerra Mundial, nas Guerras Napoleônicas ou até mesmo na Guerra do Paraguai. No calor da luta, no meio da soldadesca, ninguém tem sangue frio suficiente para procurar o inimigo. Ou racionalidade.

Até onde sei, hoje em dia nenhum exército faz a famosa “carga de baionetas”, aquele ataque – geralmente desesperado – onde a tropa avança destemidamente em direção ao inimigo, com as baionetas em riste na ponta dos fuzis, prontas para cortar o pescoço de quem aparecer pela frente. Uma carnificina que só os filmes de guerra antigos adoravam!

Mas os tempos mudaram, não é mesmo? As guerras modernas estão cada vez mais tecnológicas, dependendo de drones, mísseis inteligentes, satélites, blindados robôs, miras laser e mais uma infinidade de aparatos que, com certeza, ainda nem ouvimos falar. É claro que estou pensando nos países do primeiro mundo, donos de arsenais poderosos o suficiente para destruir a vida no planeta em questão de horas. Ou menos!

Bom, toda essa introdução (o quê, ainda vem texto por aí?) serve para mostrar a que ponto chegamos na mui heroica e leal cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Não estamos mais em guerra com o Paraguai, o Uruguai conseguiu sua independência e a Argentina perdeu o interesse nas provocações. Aliás, chegamos a um ponto tal que ninguém sequer pensa em perder tempo, dinheiro e vidas declarando guerra ao Brasil.

Não, nossa guerra é mais cruel, é interna. E nem é uma guerra civil, como a espanhola na década de 30 ou angolana, que durou de 1975 até 2002. No Rio, onde a situação está completamente fora de controle, sequer as forças armadas são respeitadas. A bandidagem, muito bem armada e orientada, parece ter um serviço de inteligência melhor do que o da polícia. Aliás, a fuga da favela da Rocinha do inimigo público número 1 da vez, furando um cerco feito pelas forças armadas e PM foi simplesmente uma vergonha. Será que já estão apurando quem “ajudou”?

Duvido.

Quem sofre com essa “guerra” é, sem dúvida, a população. Toda ela. A morte da turista espanhola chocou o mundo e, não duvidem, manchou indelevelmente a imagem já muito manchada da cidade. O assassinato do coronel comandante do 3º batalhão da polícia militar, em plena rua Hermengarda, no Méier, com 17 tiros, em plena manhã de uma quinta-feira, foi de um absurdo tão grande que me deu a sensação de estar em Aleppo, no meio de um daqueles combates ferozes. Ah, tá, lá a guerra é civil, aqui não.

A lista de mortes revoltantes, que era mensal, agora é diária. A população se retrai e se defende como pode, mudando horários, hábitos ou indo embora da cidade. O que vejo, sinto e acredito é que a guerra contra o tráfico foi perdida e nem foi hoje. Foi perdida quando favelas se expandiram e simplesmente fizemos cara de paisagem. Foi perdida quando trocamos saneamento básico por teleféricos. Quando glamorizamos a miséria como parte da “cultura carioca”. Quando colocamos serviços de gás, luz, telefone, internet e transporte público nas mãos de milicianos e traficantes. Quando esquecemos da educação e da saúde. E por aí vai.

Há quantos anos se combate o tráfico? Segundo a própria Polícia Militar, desde o final dos anos 70. Quarenta e muitos anos depois, milhares de vidas perdidas, milhões (ou bilhões) de reais torrados e nosso futuro jogado no lixo. Caramba, quem está lucrando com essa batalha interminável, cruel, sem sentido, sem bandeiras? Ainda não sabemos sequer quem compra e fornece drogas e o armamento pesado para a bandidagem. Ou será que, simplesmente, não ousamos (ou podemos) falar?

Enfim, chegamos a um ponto que a luta é por território, dinheiro. Gente muito poderosa está por trás dessa “indústria”, gente do topo da pirâmide. Ganha muito, com certeza. Li em algum lugar que com a derrocada das Farcs colombianas, a exportação da droga para os Estados Unidos e Europa está se fazendo pelo Brasil. Com um substancial aumento dos lucros, é óbvio. Gente, fico imaginando os valores que uma “Lava-Jato” do tráfico não revelaria. Os nomes. As empresas. As ONGs. Os militares. A justiça. A mídia. O executivo, o legislativo, a puta que pariu!

A ponta da baioneta está espetada nas costas da população, seja de que classe social for (balas perdidas não escolhem rostos). Temos plena noção de que tudo está errado mas ficamos em silêncio, inertes, paralisados pelo medo. Durante uma carga de baioneta, podemos correr, lutar, talvez até nos render. O problema é que a guerra do Rio não tem regras e todos somos alemães, inimigos de qualquer um. Que pena. Qualquer dia desses o Rio acaba. Ou se transforma em uma Faixa de Gaza tropical…