O apagão

Foto: Carlos Emerson Junior

Onde você estava quando as luzes se apagaram na noite da última sexta-feira, dia 2 de outubro? Pois é, peguei emprestado o título de um antigo filme da década de 60, com Doris Day e Patrick O’Neal para falar sobre o apagão que deixou no escuro cerca de 20 municípios fluminenses (incluindo Nova Friburgo), durante quase quatro horas. Segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico – ONS, concessionaria local, problemas em 3 subestações de força de Furnas foram os vilões da história.

Eu estava em casa, lendo um livro e esperando que a máquina de lavar roupa completasse seu ciclo de lavagem quando, faltando uns cinco ou dez minutos para as cinco horas da tarde, o estabilizador de voltagem da geladeira apitou, um dos notebooks o acompanhou e a luz sumiu por uns quinze minutos.

Não dei a menor importância, afinal tenho experiência no ramo: na década de 50 e 60, criança ainda, convivi com os racionamentos de energia no Rio, dia sim e o outro também, em dois horários, um pela manhã e o outro à noitinha. Quando comprei o apartamento de Nova Friburgo, em um bairro praticamente desabitado e cheio de mata em volta, a luz ia e vinha ao sabor do vento, da chuva e do sol. Ah, e dos relâmpagos e trovões também!

Por volta das seis da tarde, fui abrir a porta de casa para minha mulher e, surpresa, a luz se foi de novo, só se normalizando às nove e meia da noite quando, completamente entediados, já avaliávamos a hipótese de subir para o quarto e dormir até o dia seguinte. Infelizmente nossos planos foram por água abaixo quando lembramos que a máquina de lavar, cheia de roupas, ainda tinha alguns ciclos a cumprir.

E foi isso. A luz iluminou, a lavadora lavou e a vizinhança reclamou, com toda a razão: imagina como ficaram os hospitais da cidade, cheios de cidadãos com o vírus? No dia seguinte, atrás de notícias, só conseguimos duas notas das empresas de luz aqui da região, avisando que não tinham nada a ver com isso e que passaram a noite remanejando as linhas de transmissão para manter o serviço ativo.

Furnas, por sua vez, publicou sua versão, atribuindo as falhas nas estações de Rio das Ostras, Duque de Caxias e Belford Roxo, garantindo que “as causas da ocorrência ainda estão sendo apuradas”. Tomara que sim. O que menos precisamos é de uma repetição dessa “ocorrência”, ainda mais depois de tantos anos sem maiores problemas.

E o legado da história? Achei uma caixa com 6 velas, comprada a uns vinte anos atrás, quando o Sans Souci ainda era um lugar isolado, praticamente sem luz. Quase um achado arqueológico.

oOo

Aos idosos que não se entregaram, aos que ainda lutam para superar suas dificuldades e àqueles que cuidam uns dos outros, força e coragem para seguir em frente e vencer essa peste!” (Ana Borges, Jornal A Voz da Serra)

Muito oportuno e bem-vindo o belo artigo publicado no Caderno Z, do jornal A Voz da Serra deste sábado (que por causa do apagão circulou no domingo) escrito pela amiga e jornalista Ana Borges, sobre os mais atingidos pelo covid-19, os idosos, a turma que já passou dos 60, 65, 70, a minha turma, enfim. Oportuno, instrutivo e inspirador. Obrigado, Ana.

O link para leitura on line está aqui: https://avozdaserra.com.br/noticias/aos-idosos-que-nao-se-entregaram-e-aos-que-ainda-lutam-para-superar-dificuldades.

Deu no New York Times

Bom dia!

O editorial do NYT de hoje, traduzido e transcrito abaixo, é curto e grosso, apontando a irresponsabilidade,de uma elite política que só se preocupa com o povo na época de pedir seus votos. O castigo veio a cavalo, afinal o coronavírus não tem nada a ver com isso e uma quantidade enorme de participantes da festa está doente, inclusive o presidente dos Estados Unidos.

Parece até o nosso país, não é mesmo? O que os idiotas esquecem é que as vacinas ainda não estão prontas, os remédios são paliativos e sequer se sabe se quem já foi infectado está imune ao vírus. É claro que a quarentena não pode durar para sempre mas a abertura teve tudo menos critério científico e responsabilidade. Infelizmente as eleições de novembro estão aí e governadores, prefeitos e gente que não está nem aí para a saúde pública, agem às cegas, de olho apenas em sua votação. Aliás, a próprio evento em plena pandemia é simplesmente uma lástima!

Enfim, continuem evitando aglomerações, usem sempre a máscara e uma tenham uma ótima semana. Que Deus os abençoe.

Carlos Emerson Junior

oOo

Os sacrifícios de muitos

Por David Leonhardt (The New York Times)

Foto: Alex Brandon (Associated Press)

Milhões de americanos passaram meses sem ver alguns de seus parentes mais próximos ou seus colegas. Eles cancelaram casamentos e formaturas. Eles disseram adeus aos entes queridos moribundos por telefone.

Mas quando muitos dos líderes políticos do país se reuniram na Casa Branca há nove dias para comemorar a nomeação de Amy Coney Barrett para a Suprema Corte, eles decidiram que as regras da pandemia que se aplicavam a todos os outros não se aplicavam a eles.

Alguns deles presumiram, erroneamente , que, por terem recebido um teste de vírus de resposta rápida ao chegar à Casa Branca, não podiam ser infecciosos. Outros simplesmente optaram por não pensar no vírus, ao que parece. Em vez disso, dezenas deles estavam sentados, sem máscara, a centímetros um do outro . Eles apertaram as mãos, se abraçaram e se beijaram. Depois de começar ao ar livre, o evento mudou para um ambiente interno, onde os participantes continuaram a comemorar como se fosse 2019.

Agora há motivos para acreditar que a reunião foi um evento super-disseminador do coronavírus. O presidente e a primeira-dama estão doentes, assim como dois senadores presentes, um ex-governador, o presidente da Universidade de Notre Dame e vários funcionários da Casa Branca, jornalistas e outros.

E qualquer pessoa infectada na Casa Branca naquele dia pode ter infectado outras pessoas posteriormente.

Andrew Joseph, da publicação de saúde Stat escreveu neste fim de semana que o evento na Casa Branca “oferece um estudo de caso no que os especialistas dizem ter sido a imprudência do governo”. O Times compilou fotos do evento, com etiquetas que identificam muitos dos participantes .

Rebecca Ruiz do Mashable tuitou , em resposta a uma foto da recepção interna para Barrett: “Eu não abracei meus pais desde 8 de março e eles não abraçaram seus netos desde então. Eu queria desesperadamente dar as mãos ao avô no aniversário dela e eu disse não, não podemos correr esse risco. ”

David French, do site conservador The Dispatch, escreveu : “Que contraste impressionante com a maneira como tantos milhões de americanos viveram suas vidas”.

Talvez a resposta mais pungente veio do presidente da Notre Dame, o reverendo John Jenkins. Nesta primavera, Jenkins argumentou que as faculdades tinham a obrigação moral de reabrir , para o bem do “corpo, mente e espírito” de seus alunos. Mas Notre Dame faria isso com cuidado, ele prometeu. Quando alguns alunos violaram as regras do campus dando festas – sem máscaras ou distanciamento social – e um surto de vírus se seguiu, Jenkins cancelou as aulas presenciais por duas semanas como punição e precaução.

No início da semana passada, antes mesmo de ficar claro que a Casa Branca ajudou a espalhar o vírus, Jenkins escreveu uma carta à comunidade de Notre Dame expressando pesar por seu comportamento ali. “Não consegui dar o exemplo, em uma época em que pedi a todos os outros membros da comunidade Notre Dame que o fizessem”, escreveu ele. “Lamento especialmente meu erro à luz dos sacrifícios feitos diariamente por muitos.”

(Publicado na edição de hoje da Newsletters “Morning”, do The New York Times).

Dois mil e vinte, o ano que nunca começou

Foto: Carlos Emerson

Trinta e um de dezembro de dois mil e dezenove. Toda a mídia, praticamente sem exceção, divulga as famosas previsões de astrólogos, videntes, cartomantes, tarólogos, religiosos, cientistas, analistas políticos, economistas, atores, músicos e celebridades diversas sobre o ano que está chegando. Vamos lembrar algumas?

“Para a carreira, as previsões para 2020 são muito boas. Tudo indica que no próximo ano aumentarão as oportunidades de trabalho”.
“Será um ótimo ano para colocar em projetos e planos em prática, muitas pessoas terão iniciativas.”
“O passaporte brasileiro será um dos mais cobiçados, e falando nisso, acordos bilaterais vão reduzir a necessidade de visto para vários países”.
“Sites de fofoca vão bombar: a tendência é haver traições e separações envolvendo artistas e poderosos em geral”.

Pois é, os sites de fofoca realmente estão com a bola cheia mas em compensação o mundo inteiro parou completamente por causa de um “resfriadinho” que ninguém previu. Que coisa! Janeiro e fevereiro ainda rolaram numa boa, sol, praia, carnaval, uma festa, apesar dos alertas da OMS e até mesmo do Ministério da Saúde, dando conta que havia alguma coisa estranha no ar. Literalmente.

Em março, diante do crescimento descontrolado do número de casos e mortes, os governos do planeta, impotentes, resolveram fazer a única coisa a seu alcance naquele momento: parar o mundo. E assim foi feito. O tempo foi passando, o vírus estudado, dissecado e, possivelmente transmutado reduziu a “poderosa” civilização do século XXI, quase oito bilhões de pessoas, a meros prisioneiros trancados em suas casas, tentando sobreviver da maneira o menos pior possível.

O resto é história e para ser honesto, tenho que registrar que as guerras pararam, o trânsito melhorou, o ar das cidades melhorou, a maneira de trabalhar mudou e a internet, ao contrário do que previram os filmes do James Cameron (lembram da Skynet?), salvou vidas, empregos e a educação de nossas crianças e jovens.

Pelo tempo que já vivi, não me iludo com essa de “dias melhores virão”. Moro no Estado do Rio e vi de perto o que a ganância, o desamor e a falta de vergonha na cara podem fazer. O caso dos sete hospitais de campanha usados para desviar dinheiro público em plena crise da saúde foi de uma canalhice sem igual. Roubar numa hora dessas deveria ser crime hediondo.

Mas vamos em frente e lentamente, assistindo pela janela as estações do ano passarem, apreciando as mudanças de cores das árvores da floresta que nos rodeia, os pássaros que vão e vem, as nuances dos diferentes céus de março até hoje, me dou conta que estamos no meio de setembro e o ano que não começou acaba daqui a 3 meses, com ou sem vírus, com ou sem vacinas.

Para mim, 2020 será o ano que descobri que tinha um câncer, fiz uma cirurgia e encarei uma quimioterapia em plena pandemia do Coronavírus. Não tenho a menor ideia do que virá pela frente mas, como sou brasileiro vou encarar numa boa. Afinal, se eu tivesse desistido, não estaria aqui escrevendo essa crônica!

PS: Mas decididamente, 2020 não existiu!

Carlos Emerson (setembro/2020)

Vírus Filho da Puta!

Shuterstock

Os números são terríveis: no mundo são 25.251.334 casos de Covid-19 e 846.841 mortes. O Brasil contribuiu até agora com 3.908.272 casos (15,47%) e 121.381 fatalidades (14,33%). Nosso desgovernado Estado do Rio tem 223.631 casos e 16.065 óbitos e Nova Friburgo, com 2.409 casos e 100 mortes, aparece lá embaixo mas com números preocupantes para uma cidade que não chega a ter 200 mil habitantes.

Enquanto isso assistimos, estupefatos, o afastamento de mais um governador, a prisão de dezenas de autoridades, políticos e empresários envolvidos em um revoltante e nojento caso de desvio de dinheiro da saúde, superfaturamento de hospitais, formação de quadrilhas, recebimento de propinas e diabo a quatro. Já são sete os chefes do governo fluminense presos, processados ou investigados e afastados por, digamos gentilmente, mal feitos.

Quem elegeu essa gentinha? Nós, é claro, que nos acostumamos a votar no menos pior, durante anos escolhemos representantes corruptos e inúteis para as casas legislativas, fechamos os olhos para os desmandos de pseudo autoridades desde que tenhamos carnaval, praia e futebol, não necessariamente nessa ordem; delegamos poderes da época do império a nulidades que não conseguem assinar o nome, não entendem o que ouvem e não sabem falar. Uma lástima!

Foto: Wilton Junior/ Estadão

A visão dantesca das fotos e vídeos das praias cariocas no último final de semana é de provocar engulhos. Estavam comemorando o fim da pandemia? A cura do vírus? O que esse povo tem na cabeça? Em quem essa gente confia? Acreditam mesmo nos irresponsáveis pela saúde pública? Na mídia partidária? No coelhinho da Páscoa? Ou seria no Papai Noel?

Dizem que os critérios para a flexibilização são técnicos mas como precisam atender a uma senhora com o sonoro nome de “Reeleição”, aceitam qualquer barbaridade que um aspone ou empresário buzine no ouvido da “Vossa Excelencia” da vez. Até hoje não entendo porque as eleições deste ano foram mantidas. Um desserviço para a população, quando bastava prorrogar os mandatos por uns seis meses ou até o vírus ser controlado, sei lá, usassem a criatividade!

E por falar nisso, a escolha dos prefeitos e vereadores deveria ser mais importante para o cidadão do que a do governador e até mesmo do presidente (com minúsculas, por favor). Um país continental como o nosso não pode depender de uma pequena e poderosa pseudo elite que se aboletou há anos no poder, independente de qualquer ideologia. O voto distrital seria uma boa? Talvez… Não por acaso, a turma de Brasília tem horror a essa ideia.

Desenho: Oscar Niemeyer
Vivemos um momento tão confuso que ninguém mais sabe quem manda em quem no Brasil e todo mundo, mas todo mundo mesmo é culpado por essa mixórdia, agravada pelo Coronavírus. Depois de todas as asneiras ditas e cometidas que nos levaram a uma tragédia, lembro do escritor israelense Eshkol Nevo que, em uma ótima crônica no jornal espanhol El País, afirma que “não está disposto a escutar mais ninguém dizendo que o vírus vai nos ensinar uma lição, e que vai nos fazer retornar a uma vida mais simples. O vírus é um filho da puta.”

No fundo, é isso aí mesmo: somos todos filhos da puta!

Carlos Emerson Junior (setembro/2020)

Livros em quarentena

Confesso que tenho lido e escrito muito pouco. O isolamento tem um preço que é agravado pela medicação da quimioterapia, a concentração. Segundo neurologistas do Hospital das Clínicas de São Paulo, “o isolamento pode provocar certo embotamento psicológico, frieza e distanciamento das emoções positivas”. De uma maneira grosseira, acho muito mais simples tirar uma soneca do que mergulhar nas páginas de um romance.

Mas tenho me esforçado, é claro. Minha filha mais nova nos presenteou com dois livros de autores suecos, “Um Homem Chamado Ove”, de Frederik Backman, Editora Objetiva e “O Ancião Saiu Pela Janela e Desapareceu”, do Jonas Jonasson, da Editora Record. Estou lendo o primeiro, que já nos surpreende de cara com o título do capítulo 1: “Um homem chamado Ove compra um computador que não é um computador”. Pois é!

O outro livro sueco, “O Ancião Saiu Pela Janela e Desapareceu”, está sendo lido com gosto pela minha mulher. Em sua opinião, apesar da história meio estranha ou talvez, muito escandinava, um senhor centenário que foge de um asilo só de pantufa e pijama e participa de aventuras inesperadas e até mesmo inacreditáveis, é um romance engraçado, ágil e ideal para passar as horas sem a menor preocupação.

Já “A Hora Final”, romance distópico do escritor inglês Nevil Shute, lançado em 1958 e atualmente fora de catálogo no Brasil (comprei meu exemplar, uma edição de 1974 da Companhia Editora Nacional, na internet) foi a base do aclamado filme do mesmo nome, lançado em 1959 com Gregory Peck, Ava Gardner, Fred Astaire e Anthony Perkins. Uma guerra nuclear destruiu todo o hemisfério norte e uma imensa e mortal nuvem radioativa se espalhou pelos países que restaram no hemisfério sul, entre eles, a Austrália (onde a história se desenrola), Brasil e Uruguai. Leitura pesadíssima para esses dias obscuros que estamos vivendo, mas indispensável para os fãs do filme e das e plausíveis histórias de ficção científica.

“Prazer em Queimar – Histórias de Fahrenheit 451”, editado pela Biblioteca Azul, é uma coletânea do escritor norte-americano Ray Bradbury, reunindo “dezesseis contos que deram origem ao seu romance clássico e obra-prima, Fahrenheit 451”. Acho que já li quase toda os trabalhos do autor, mas quando vi na resenha que este livro traz alguns inédito, não resisti e encomendei na mesma hora. Como ainda não li e cheio de expectativas, devo uma postagem com a devida resenha, para o bem ou para o mal.

“O Bom Pastor”, do britânico C.S.Forester, lançado em 1955 nos Estados Unidos e na Inglaterra e em 2020 no Brasil, pela Editora Record, narra a saga do comandante de um contratorpedeiro americano em um comboio de navios cruzando o Atlântico norte, levando tropas, mantimentos, combustível, armas, remédios e alimentos em plena Segunda Guerra Mundial. O ano é 1942 e os submarinos alemães, em grande número e atacando como matilhas de lobos são mortíferos. Para piorar, essa é a primeira missão do comandante do comboio…

Comprei o e-book na Amazon por impulso, logo após assistir na internet ao badalado e inédito longa metragem “Greyhound”, com o Tom Hanks, baseado nessa história. O filme, muito bom, por sinal, capricha no ambiente soturno, hostil, frio e cruel, mostrando como angustiantes e terríveis eram essas viagens. Vai ser a leitura seguinte ao livro do “Ove”.

*****

Pois é, livros e filmes são ótima companhia para esses dias (meses, anos, séculos, vai saber…) de quarentena do Covid-19, principalmente se levamos o isolamento à sério, saindo de casa o estritamente necessário e possível. Aliás, estou sendo injusto, livros são os nossos amigos para qualquer hora e o melhor, não tem nenhum efeito colateral. Palavra de quem adora ler!

Carlos Emerson Junior (agosto/2020)

Casa de Marimbondos

Foto: Carlos Emerson Jr.

“Marimbondo furibundo
Vai mordendo meio mundo
Cuidado com o marimbondo
Que esse bicho morde fundo!”
(Vinícius de Moraes, 1970)

 

– Não brinca aí, menino, não está vendo a casa de marimbondos? Pois é, não vi mesmo; quando a gente é criança não presta atenção nessas coisas, não sabe que pode ser perigoso, acredita que tudo é implicância de gente grande. Dei sorte na vida (ou tive juízo) e consegui manter sempre uma distância cautelosa desses insetos. Afinal, como já diziam os antigos, o seguro morreu de velho…

Ferroada de marimbondo dói pra burro. Lembro de uma de minhas idas à parasidíaca Ilha Grande, no litoral sul do Estado do Rio, para acompanhar uma vistoria da Marinha do Brasil a um enorme terreno de propriedade da empresa onde trabalhava na época, ainda tomado pela Mata Atlântica. Lá pelas tantos, floresta adentro, o mateiro passou, o pessoal da Marinha foi atrás e eu dei de cara com um bando de marimbondos. O resultado final desse encontro foi o mateiro tirando o ferrão da minha mão com um facão, aplicando a seiva de uma planta nativa na ferida, garantindo que daria para guiar de volta ao Rio antes que a mão virasse um balão.

Deu para voltar para casa e sim, a mão inchou muito!

Que ninguém nos ouça, mas pessoalmente tenho muito mais medo de mosquitos do que de abelhas, vespas e cia., predadores naturais dos transmissores da dengue e outras pestes. E já que estamos falando em pestes, o famigerado Covid-19 também é de aterrorizar qualquer pessoa que tenha um mínimo de sanidade mental, o que não é o caso das hordas de idiotas que vagam alegre e irresponsavelmente por aí, em pétrea aglomeração e inabalável convicção de que podem superar a doença.

Cuidado com os marimbondos, pessoal!

Hospital de Campanha

Foto: Portal Multiplix

 

“Só agora, depois de meses de pandemia, aprendi que Hospital de Campanha foi feito para arrecadar dinheiro para campanha eleitoral.”
(Redes Sociais)

 

No início de abril, o governador do Estado do Rio anunciou, com pompa e circunstância, que estava implantando sete hospitais de campanha para ajudar no combate ao Covid-19 nas cidades do Rio, São Gonçalo, Duque de Caxias, Campos, Casimiro de Abreu, Nova Iguaçu e Nova Friburgo, a um custo de 770 milhões de reais, através de um contrato emergencial, sem licitação, com uma notória OS cujo nome todos conhecemos.

Pois muito bem (ou melhor, muito mal), hoje, dia 2 de agosto, 4 meses depois, apenas duas unidades entregues (Maracanã e São Gonçalo) e já desativadas e as cinco restantes… Ninguém sabe, ninguém viu. O secretário de saúde que assinou os contratos está preso junto com os dirigentes da empresa responsável (?) pela construção e gestão das unidades, o governador devidamente acuado no Palácio Guanabara e nós, simples cidadãos contribuintes e votantes, morrendo de vergonha com mais um escândalo!

O pior de tudo é ouvir o atual secretário de saúde tentar nos convencer que os hospitais não serão ativados porque o Covid-19 já está devidamente controlado e seus índices de infecções e falecimento em plena queda. Aí fico em dúvida se estou sendo chamado de burro, idiota ou cego! De qualquer maneira, fico com a esperança que os eleitores não se esqueçam dessa pajelança estadual e deem o troco nas eleições de novembro. É o mínimo que podemos fazer.

A propósito, não sei quem é o autor da frase que abre o texto, mas deixo meus cumprimentos e assino embaixo: parabéns!

Monólito

Foto: Carlos Emerson Junior

Tudo aconteceu numa rua deserta, em um bairro residencial, sem veículos ou pessoas circulando. De um lado ficavam as casas, grandes, com muros altos cobertos de heras e do outro uma ribanceira coberta de plantas e muitas árvores. Em alguns trechos, o mato meio que se abria e viam-se as montanhas que cercavam a cidade ao longe.

Até o dia que alguém por ali passou e, ao invés dos morros, deu de cara com um objeto retangular, preto, enigmático e assustador, como que vigiando o local, como se fosse o monólito do filme famoso dos anos 60 ou um deus julgando a sua criação.

A aparição tinha tudo para ganhar o mundo: televisão, rádio, imprensa, blogs, políticos, religiosos, militares, cientistas, artistas, escritores e poetas, crentes e céticos, todos com disposição e posição tomada para defender ou execrar o evento se encaminharam para a rua outrora vazia quando uma criança, atendendo um jornalista qualquer, se espantou com tamanho alvoroço por causa de uma simples caixa d’água.

Caixa d’água? Impossível! Blasfêmia! Mentira! Que alívio! Eu sabia! Que coisa! Comunistas! Fascistas! Hipócritas! Corruptos! O presidente se calou, o governador lamentou e o prefeito mandou multar o responsável pelo desatino, colocar uma caixa d’água em local não permitido. Do dia para a noite todos queriam saber quem era esse vilão que tantas expectativas criara.

O “monólito” foi derrubado, o povo se dispersou e a rua, como sempre, voltou a ter paz, solidão e silêncio. A paisagem ainda está lá, as montanhas abraçando a cidade. As árvores, plantas e a ribanceira também. Os pais da criança que provocou todo o alvoroço, assustados se mudaram para bem longe, a vida seguiu seu rumo e nossa história aqui terminou. Aliás, sequer começou… Afinal, nada existia e nada mudou.

O caso dos doze comprimidos

Aconteceu comigo. Minto, ainda acontece e faço questão de contar. 

Infelizmente sabemos que tirando as curas milagrosas de Jesus, ainda não existe um meio eficaz de curar uma doença sem utilizar algum tipo de remédio, qualquer um, mesmo que seja um placebo! O pior é que dependendo da gravidade de seu estado, mais medicação será recomendada, com e apesar dos famosos “efeitos colaterais”. 

Ao contrário de muita gente boa, nunca fui muito “amigo” de pílulas, cápsulas, comprimidos, xaropes, poções, pomadas, cremes, sublinguais, injeções, supositórios e afins, não necessariamente nessa ordem. Acredito sim que temos grande dificuldade de aceitar que um algum dia deixaremos de ser eternamente jovens e receberemos a conta dos anos de descaso com nossa saúde física e mental.

Por alguma razão passei grande parte da vida praticamente incólume neste quesito: uma gripe aqui, outra dor de barriga ali, uma indisposição acolá e stress, esse sim, sempre. Nunca quebrei um ossinho e tampouco fui internado em um hospital. Mas, mesmo sem querer enxergar o óbvio, o tempo corre inexorável e tive que aprender a usar óculos e remédios diários para controlar a pressão arterial, ansiedade e dores de cabeça. 

Para resumir, hoje tomo exatos e obrigatórios doze comprimidos por dia: 7 da quimioterapia, 3 da hipertensão, um para a gastrite e é claro, um para  manter a sanidade num país completamente insano. Eventualmente tenho a postos um para dor nas costas, outro para regular o intestino, um colírio e um outro com um gosto horrível para azias. Deve ser por isso que sou tão bem recebidos nas farmácias. 

Mas o que me incomoda mesmo (e aí não tem remédio que cure) é o descaso com a saúde pública, em todos os níveis. A pandemia é cruel até por isso, ao expor de maneira crua e mortal a incompetência e a desonestidade das autoridades em todos os níveis, algumas incapazes de atitudes coerentes com a gravidade  do momento e outras mais preocupadas com o lucro de transações criminosas, imorais e escusas.

Enquanto isso, vamos driblando nossas próprias deficiências, tentando viver sem trabalho, saúde e o pior de tudo, sem nenhuma esperança de dias melhores. Meus doze comprimidos não tem culpa de nada e se Deus quiser vão me deixar curado. No entanto, com certeza, para mim serão sempre o símbolo de dias confusos, angustiantes e cheios de incertezas.  

Aprendemos alguma coisa? Tomara que sim, afinal seremos todos sobreviventes. E sinceramente, espero nunca mais ver um hospital de campanha que custou 60 milhões de reais aos cofres públicos, ser abandonado em plena pandemia. Ninguém merece…

Vai passar, Nova Friburgo!

Google Imagens

O que você faz quando precisa escrever um texto e a inspiração, ideias, criatividade e disposição desaparecem? Já notaram que em tempos de quarentena (pra valer), ficamos mais lentos, dispersos, desligados e, por que não, preguiçosos? Se faz frio e chove, como hoje, aí degringola tudo. Se sair da cama passa a ser um suplício, imagine sentar com o notebook para trabalhar, quando a vontade mesmo é vestir um moletom bem grosso, acender a lareira, tomar um chocolate quente e voltar para baixo do moletom… na cama, é claro!

Bom, vamos lá que hoje não é dia de dormir e sim de festejar o aniversário da minha querida Nova Friburgo, uma senhora com 202 anos de idade! As comemorações foram suspensas, é claro, afinal o coronavirus que sequer foi convidado para a festa, continua aprontando por aí. Hoje é feriado municipal e sequer o sol veio trabalhar. Não sei como está o centro da cidade, mas aqui no Sans Souci o silêncio chega a doer no ouvido. Sei lá, o tempo chuvoso, a quarentena prolongada e a dúvida sobre o nosso futuro desanimam qualquer um.

Hoje não vamos ter a tradicional parada na Alberto Braune com os militares do Exército, Marinha, PM e Bombeiros, a garotada e os ex-alunos das escolas com suas bandas, os músicos da Euterpe, da Campesina e tanta gente boa e amiga que nos faz sorrir. Fico aqui imaginando como seria bom se o vírus desaparecesse por algumas horas para que todos desfilassem e nos encantassem. Pena que só em em sonho mesmo…

Parabéns, Nova Friburgo! Parabéns, friburguenses. Apesar de ter passado a vida quase toda no Rio, aprendi a amar essa cidade singular, bonita e extremamente acolhedora. Não fique triste, Nova Friburgo, estamos comemorando seu aniversário com nosso coração, aqui mesmo, do seu lado, em nossas casas aguardando a hora de retomarmos nossas vidas. Parabéns, Nova Friburgo! Acredite, tudo isso vai passar.

Sempre passa!

A crônica das bananas

Google Imagens

Uma jovem distraída resolve preparar uma iguaria de infância, banana cozida, servida com açúcar e canela, uma delícia. Liga para o mercadinho da rua e pede para entregarem em sua casa 5 bananas da terra, bem maduras. O atendente anota o pedido, negociam, combinam a entrega e voltam as suas atividades: ela, terminar o trabalho gráfico no computador caseiro e ele, separar as bananas, embalar e chamar o motoboy para fazer a entrega. Tudo normal, apenas mais uma compra em um dia de isolamento social.

Quinze minutos depois o interfone da jovem toca, devem ser as bananas, pensa a jovem enquanto atende a ligação:

– Sim, fui eu mesma. Dá para colocar no elevador e mandar pra cá? Que bom, obrigada.

E dito isto caminhou até o corredor, aguardou a chegada do elevador, abriu a porta e quase caiu dura para trás: ao invés das 5 bananas, o infeliz do dono do mercado tinha enviado 5 pencas com 12 frutas, ou melhor, 60 bananas! E agora? Só um batalhão para dar conta de tantas bananas cozidas.

Correu para o telefone.

– O senhor enlouqueceu? O que é que eu vou fazer com tantas bananas?
– Também estranhei, mas foi a senhora mesma que pediu as 5 pencas. Tudo bem, não vamos brigar. Deixe as bananas no elevador que já vou aí pegar, ok?
– Legal, o senhor é gente boa. Posso separar as minhas 5 bananas?
– Sem dúvida e fica como cortesia do mercado. Perdoe a confusão.
– Eu é que peço desculpas, acho que nós dois confundimos tudo. Deve ser essa quarentena.
– Nem me fale! Até já, estou saindo.

Pois é.

Quarenta e cinco dias depois

Gravura: Schnabel de Rome

Segunda-feira, 20 de abril de 2020, 11:37 horas, 28º dia da quarentena decretada pela Prefeitura de Nova Friburgo, 45º de retiro desde minha internação em um hospital no Rio de Janeiro, no dia 7 de março. Nesse período, estive na rua nos dias 13, 21, 23 e 31 de março, todos por motivo de saúde. Ah, sim, quando não faz frio ou chove, caminho no bosque do condomínio, seguindo expressas ordens médicas. Resumindo tudo isso, 45 dias recolhido e apenas 4 saídas de casa. Quarentena, uai!

Mas vamos ao que interessa, quem inventou a quarentena e por que razão? Os italianos, é claro. Segundo os britânicos da BBC, “quando a peste negra se espalhou pela Europa durante o século 14, Veneza aplicou uma regra em que navios tinham que ancorar por 40 dias antes que a tripulação e passageiros pudessem desembarcar. O período de espera foi denominado ”quarantino”,que deriva da palavra em italiano para o número 40”.

A Wikipédia entra no circuito e nos lembra que “apesar de a quarentena ser considerada pelos historiadores modernos como uma das primeiras contribuições fundamentais à prática da saúde pública, não tinha sua devida importância reconhecida”. A gravura que ilustra o texto, de autoria do Dr. Schnabel de Rome, mostra a roupa que os “médicos” da época usavam para “tratar” dos leprosos e das vítimas da Peste Negra. Devia matar os pacientes de susto!

Na Idade Média muita gente boa foi “salva” na fogueira, li-te-ral-ment-te, já que os curandeiros acreditavam que as doenças eram provocadas por demônios que se apoderavam nosso corpo e alma. E aí, só com fogo, não é? Barbaridade! Outros eram colocados em cavernas ou coisa parecida e proibidos de lá saírem, para não contaminarem as populações das cidades com seus males.

Ainda bem que o mundo evoluiu, a abordagem médica mudou e vacinas, antibióticos, novos medicamentos, terapias e muita tecnologia salvam vidas, sem fogueiras, leprosários, maldições e isolamentos. Opa, eu disse isolamento? É, meus caros, existe uma diferença entre quarentena e isolamento (e ainda o distanciamento social) mas, como estamos no Brasil, misturaram tudo e uma boa parte da população (e “autoridades”), acaba fazendo o que lhe dá na cabeça, o que “ouvem por aí”.

Para falar a verdade, estou sendo injusto: gente sem noção existe em qualquer lugar do mundo, não importa a cor, nacionalidade, sexo, dinheiro e sequer educação. Países de primeiro mundo erraram feio enquanto outros, nem tão de primeira assim, mas completamente autoritários, trataram de fechar suas fronteiras, imprensa e recolher cidadãos recalcitrantes. Ou alguém acredita que a Coreia do Norte, por exemplo, não teve nenhum caso sequer da doença? A Arábia Saudita? Ah, me poupem!

Na verdade, a humanidade ficou (ou ainda está) perdida, sem saber de onde essa desgraça saiu, incapaz de conseguir uma vacina sequer ou mesmo entender até onde a doença pode ir. Seria o fim do mundo? Pois é… Eu mesmo, nascido no início da década de 50, que sempre acreditei que nos exterminaríamos com armas nucleares e fogo (olha ele ai outra vez), fico aqui pensando se vamos perder a guerra para um inimigo simples e pequeno, formados por uma cápsula proteica envolvendo seu material genético.

Falam em guerra bacteriológica e nações apontam o dedo para outras, responsabilizando-as pela origem e disseminação do vírus. Para mim essa teoria é furada e por um motivo forte: qual a razão para tirar vidas de eventuais consumidores de nossos produtos e serviços? Hoje em dia um iPhone, por exemplo, é projetado e vendido por uma empresa norte-americana e fabricado… na China. Todos sairiam perdendo, não é mesmo?

Teorias da conspiração à parte (afinal, a imaginação ainda é nossa), quem garante que não estamos sob “ataque” da Natureza, uma reação biológica ou sei lá o quê aos nossos desmandos, destruição desenfreada do meio ambiente, êxodo de milhões de pessoas para megacidades, poluição dos oceanos, rios, lagos, nascentes, acreditando que a água, elemento vital para a vida, vai se regenerar e nos servir eternamente…

Ou será que voltamos ao começo da civilização e os antigos monstros, demônios, duendes, vampiros e assemelhados retornaram em forma de vírus para nos possuir?

E depois? O quê, você quer saber mesmo o que vem depois da pandemia? Tá bom, eu conto: 1/3 da população mundial que sobreviver vai ficar curada, não me pergunte como. O restante vai se transformar em zumbis, devorando tudo o que vier pela frente. Quando não restar mais nada, comerão uns aos outros e é isso. Da raça humana só sobrarão alguns monumentos, tipo a Torre Eiffel, que não farão o menor sentido para alienígenas.

– Fala sério, cara, alienígenas! Está bom, vou tentar, mas tenha em mente que será puro achismo. Primeiro, a economia mundial vai, ou melhor, está tomando um baque danado e sua recuperação pode ser bem lenta. Lembre-se que no início do século XX, a Gripe Espanhola provocou uma recessão que desembarcou na Segunda Guerra Mundial. O The New York Times de hoje mostra três pontos, que valem para todo o mundo: 1) o que acontecerá com o Covid-19? Desenvolveremos uma vacina ou ele sofrerá uma mutação e ficará menos grave? 2) Ainda não é possível determinar quantas pessoas não tiveram nenhum contato com o vírus e 3) na falta de uma vacina ou tratamento pode levar a uma nova crise se todos saírem do isolamento. (https://www.nytimes.com/2020/04/18/health/coronavirus-america-future.html) Mas pode piorar… E se não contivermos o vírus?

Para encerrar, a humanidade vem sendo assolada por pestes desde seu surgimento e a cada evento uma quantidade enorme de vidas são perdidas. Evoluímos a cada episódio mas, infelizmente, as doenças também. O que me revolta é constatar que com tantos recursos, conhecimentos e profissionais altamente habilitados, não sejamos capazes de cuidar da saúde das quase 8 bilhões de pessoas que povoam este planeta.

Pois é, meus caros. Se não mudarmos, se continuarmos passivos, ignorantes, sem esperança ou simplesmente sem vergonha na cara, a próxima pandemia pode ser a última.

Carlos Emerson Jr. (abril /2020)

Feliz Páscoa

Nos fará bem olhar o crucifixo em silêncio e ver quem é o nosso Senhor: é Aquele que não aponta o dedo contra ninguém, mas abre os braços para todos”
(Papa Francisco)

Que as palavras do Papa Francisco sejam um norte para uma humanidade que, com exceções, sempre busca um culpado para suas frustrações, medos e desespero. O mundo não será mais o mesmo depois dessa doença que está levando tantas vidas e seremos os responsáveis pelas mudanças, espero que para o bem de todos nós. Chega de guerras, preconceitos, fome, ignorância. Lembremos que somos todos um só povo, somos todos irmãos. Com fé e esperança no coração, podemos construir um mundo mais justo e em paz.

Feliz Páscoa!

Gratidão

Foto: Carlos Emerson Jr.

“Só há felicidade se não exigirmos nada do amanhã e aceitarmos do hoje, com gratidão, o que nos trouxer. A hora mágica chega sempre”. (Hermann Hesse)

E é com o coração cheio de amor e gratidão e lágrimas que insistem em descer dos meus olhos que agradeço aos Dr. Sérgio Polo, cirurgião e gastroenterologista aqui de Nova Friburgo que diagnosticou minha doença e deu um norte para minha cura.

Agradeço ao Dr. Flávio Sabino, cirurgião oncologista e sua equipe, que tirou minhas dúvidas e medos, me operou e cuidou de mim durante toda a hospitalização.

Agradeço aos médicos, equipes de enfermagem e de serviços de saúde do Hospital Quinta D’Or, no Rio de Janeiro, sempre atenciosos, eficientes e carinhosos. Ao pessoal do CTI, que “hospedou” esse velho paciente por sete dias, um obrigado especial: vocês foram demais.

Agradeço aos amigos e vizinhos que colocaram meu nome nos cultos Católicos, Evangélicos, Messiânicos, Presbiterianos e Espíritas. O tempo todo me consolava sabendo que Ele estava perto de mim. Da mesma forma, agradeço a preocupação e alegria quando de meu retorno. Valeu muito!

Agradeço a minha família, especialmente minha querida irmã Regina e meu cunhado Pedro, que me acompanharam nesta jornada e ainda me deram abrigo, amor e alimento em sua casa antes que eu fosse liberado para voltar para Nova Friburgo.

Agradeço a minhas filhas Mariana e Denise por toda a ajuda, orações, companhia e amizade por esse pai que tanto adora vocês!

Agradeço a Fafá, grande paixão amor de minha vida, presente em todas as horas boas e ruins que vivemos juntos no mês de março, carinhosa e cuidadosa ao extremo. Não tenho como pagar essa dívida a não ser com muito amor.

Finalmente, agradeço a Deus pela benção, proteção, força e serenidade que me permitiram passar por essa provação. Obrigado, Senhor.

Com gratidão,
Carlos Emerson Jr.

Ponto de vista

Foto: Bettmann/Getty Images

Fico imaginando como seria essa quarentena a uns 60, 70 anos atrás. Hoje dá para tirar de letra: o cidadão (de posses, é claro) tem a internet e com ela pode trabalhar em casa em seu home office, a televisão e seus inúmeros canais a cabo, streaming e suas séries e filmes, o smartphone com os aplicativos de comunicação, jogos, bancos, compras, consultas médicas e tudo mais que você imaginar.

Nos anos 50 não tinha nada disso. Telefones (isso mesmo, aquele que chamamos de “fixo”) era coisa de gente rica ou de grandes empresas. Os orelhões ainda não tinham sido inventados e a gente era obrigado a procurar uma agência da extinta Cia. Telefônica Brasileira, a CTB, encarar filas, pedir a ligação e voltar (ou esperar ali mesmo) umas duas horas para que a comunicação fosse estabelecida.

Televisão? Os aparelhos até já existiam, com imagem em preto e branco, é claro. O problema era a falta de programação das pouquíssimas estações que existiam. Na maior parte do dia a imagem era apenas um chuvisco e só à noitinha alguns programas, desenhos e filmes eram transmitidos precariamente. No máximo umas três horas diárias. Ah, sim, os receptores de TV eram caríssimos.

O rádio dava show. Muitas estações, muita informação, músicas, programas de auditório e noticiários. Pena que a maioria dos transmissores não tinha grande potência e seu alcance, geralmente, era restrito. Mas, quem podia, se virava com os bons aparelhos de ondas curtas, podendo curtir e se informar com os programas em português da Voz da América, BBC, Rádio de Moscou, Deustche Welle alemão, Radio France e tantas outras. Minha mãe contava que acompanhou toda segunda guerra mundial pelas ondas da BBC inglesa. E lá em Cuiabá, no Mato Grosso, nos anos 40!

Hoje, se o dia estiver quente, basta ligar o ar-condicionado de seu Home Office e pronto, temperatura de montanha para trabalhar e curtir o dia trancado em casa. Nos anos 50? Bom, como até mesmo os ventiladores de teto ainda não tinham sido inventados, você tinha que se virar com uns aparelhos grandes, pesados e com motores barulhentos e pouca potência, ou seja, ia continuar a sentir calor, só que com um fundo nada musical.

Computadores? Notebooks? Tablets? Tá de brincadeira, não é? Máquina de escrever manual (as elétricas surgiram bem depois) e olhe lá. E isso significava trocar a fita de impressão, limpar periodicamente os tipos, lidar com papel-carbono (nem gosto de lembrar) e corrigir um erro significava teclar tudo outra vez, com muita atenção, perdendo um tempo danado.

Grande parte dos trabalhos era feita em livros ou cadernos pautados, com caneta tinteiro (o quê, você nunca viu nenhuma? Acredita que tenho até hoje uma Parker 51 e uma Montblanc? É, tô velho mesmo…), mata-borrão, lápis, gilete para apontar o lápis, borracha para apagar os erros escritos com lápis e por aí vai. Confesso que tinha a maior admiração por quem escrevia à mão seus livros, artigos para jornais e revistas, trabalhos financeiros e de contabilidade e por aí vai. Para mim, isso seria impossível já que nunca consegui ter uma letra legível.

Uma grande mudança foi a invenção do delivery service e, é claro, os motoboys. Você tem fome e o almoço na geladeira é sobra de dois dias atrás. Sem problemas. Basta pegar o smartphone, abrir um aplicativo, escolher o prato e voilá! Em pouquíssimo tempo sua refeição é entregue em casa, quentinha e fresquinha. E essa oportuna modernidade serve para quase tudo ou, como o pessoal fala, tem aplicativo para tudo o que você imaginar. Já nos anos 50…

Claro que ficar fechado em casa, sem prazo visível para sair, não é nada agradável, especialmente se a causa é uma pandemia. A devastação que a Gripe Espanhola fez a partir de 1918, matando entre 17 e 50 milhões de pessoas e infectando um quarto da população do planeta na época, é o grande alerta para os dias de hoje. Mais uma vez estamos em vantagem: temos conhecimento científico mais avançado, equipamentos, hospitais, medicamentos, profissionais da área bem preparados e, principalmente, comunicação instantânea com qualquer lugar do mundo. Tentem imaginar como era combater uma doença a mais de 100 anos atrás.

Acho que ninguém duvida que a paralisação da economia vai provocar efeitos colaterais terríveis. Mas, enquanto não descobrirem uma maneira de parar ou tornar o vírus inócuo, temos que confiar que as medidas duras que estão sendo tomadas podem e possivelmente estão salvando vidas. Só espero que, passada a crise, não se esqueçam que outros vírus podem surgir e que levem a sério a prevenção contra essas catástrofes.

Pois é… Tomara que nossos políticos algum dia mudem e pensem da mesma maneira. Boa quarentena, meus queridos leitores.

oOo

PS: a foto que ilustra este texto foi tirada na Espanha, por ocasião da Gripe Espanhola, em 1919.

Conselhos do Barão

Google Imagens

“Quem inventou o trabalho não tinha o que fazer. (Barão de Itararé)”

Apparício Fernando de Brinkerhoff Torelly, jornalista, escritor e humorista, o Barão de Itararé, era um pândego mesmo. Imagino o que ele não aprontaria nesses dias sombrios! Algumas de suas tiradas são geniais, como “o Brasil é feito por nós. Está na hora de desatar esses nós.” Ou “de onde menos se espera, daí é que não sai nada” e a famosa “não é triste mudar de ideias, triste é não ter ideias para mudar”.

O Barão realmente era terrível! De minha parte, isolado em casa na serra fluminense, vou dividindo minha quarentena com meus textos, já nascidos ou não, livros ainda não lidos e longos papos com a família pelos Skypes e Zooms da vida. Sem ter como saber com essa história toda vai terminar, um trabalho, seja ele qual for, além de produtivo, pode ser uma terapia, até mesmo um passatempo.

Sorria, apesar de tudo, da quarentena e das contas a pagar! “Se você tem dívida, não se preocupe, porque as preocupações não pagam as dívidas. Nesse caso, o melhor é deixar que o credor se preocupe por você.” Conselho do Barão de Itararé, é claro.

Quarentena

Foto: Reuters

“- Vocês acham que estou brincando? Pois fiquem sabendo que só vão sair do quartel quando o Alto Comando desistir da estupidez de aceitar as exigências de um grupelho de terroristas. Vamos resistir até o fim, lutar como homens pelo Brasil, mesmo que fiquemos aqui o resto da vida. Quero só ver quem acha engraçado quando eu falo de quarentena, bando de mocorongos”.

Pois é, a “quarentena” do sargento, na verdade uma prontidão com armamento de combate, barricadas, arame farpado e metralhadoras antiaéreas durante o sequestro do embaixador americano no Rio de Janeiro em 1969, durou exatamente uma semana, muitos momentos de tensão, a mobilização de toda a pequena tropa e oficialidade do Quartel General e um medo enorme quando anunciaram que a Divisão Blindada estava vindo de Deodoro para nos varrer completamente do mapa.

Passou, é claro. O embaixador foi solto e no domingo seguinte fomos desmobilizados e voltamos para casa, com a sensação que defender a pátria é muito mais complicado do que nos ensinam. Quem tinha razão, no final das contas? Enfim, essa foi a minha quarentena de uma semana, com uniforme de combate, capacete de aço, granadas ofensivas de mão e o bom, confiável mas infelizmente ultrapassado fuzil Springfield a tiracolo.

O tempo passou, escreveram uma nova Constituição, governos vieram e se foram, as eternas crises de sempre continuaram presentes e, para meu espanto, 51 anos depois, durante uma cirurgia para tirar um câncer do intestino, voltei da anestesia no meio de uma nova quarentena, desta vez sem armas, sem prazo para terminar, contra um inimigo quase invisível. Ninguém sai de casa, lojas e fábricas paradas, fronteiras e divisas fechadas.

O pior é o medo. Enquanto em 1969 meu pavor era levar um tiro ou ser cortado ao meio por uma rajada de metralhadora de um tanque Sherman hoje, na condição de “grupo de risco”, ou seja, imunocomprometido, idoso, hipertenso e tratando um câncer, não passo de um alvo certeiro e possivelmente fatal do vírus chinês que assola nosso sofrido planetinha. Que saudade dos blindados!

Resta algum futuro? Sinceramente, espero que sim, embora acredite que existe uma possibilidade que, daqui para a frente, tudo seja diferente. Para melhor ou pior não dá para saber, pelo menos, agora. A discussão sobre a validade da quarentena é estéril. Achatar a curva de atuação do vírus pode significar sua explosão mais adiante, com resultados catastróficos diante das economias já combalidas pela sua paralisação.

E qual é a saída? Bom, para a doença a solução tem que vir da comunidade científica, como uma vacina ou medicamento capaz de, pelo menos, minimizar os danos de um contágio e sua morbidade. A boa notícia é que cientistas, médicos, laboratórios e universidades de todos os países pesquisam febrilmente em busca da cura. Torço para que seja apenas uma questão de tempo.

Mas como ficaria a economia mundial? Aí é outra história e bem complicada. Tudo leva a crer que a atividade econômica mundial vai parar ou quase isso, a medida que a quarentena se expanda e perdure, o que significa uma baita recessão. Quebra de empresas, desemprego em massa, miséria. E piora muito se o vírus chinês ainda estiver dando as caras por aí.

Não é bom sequer imaginar o tamanho da desgraça, afinal o vírus chinês tem potencial para provocar uma crise planetária sem precedentes, deixando os sobreviventes em uma situação só vista em filmes de ficção científica ou de apocalipse. As medidas sanitárias até agora tomadas são as possíveis, pelo menos enquanto não se vislumbra uma cura a curto ou médio prazo.

E aí me lembro da bronca da quarentena do sargento da guarda, em um quartel do Exército nos anos 60. O que aconteceu foi muito grave e quase provocou uma ruptura sangrenta no Brasil, apesar da completa falta de informações à sociedade civil. No entanto, aquela crise vista com os olhos atuais não passou de uma, com todo respeito, quartelada e ainda bem que ficou só nisso. Acredito que hoje, com toda a overdose de informações que temos (trazendo como efeito colateral muita desinformação intencional ou não), temos a obrigação de colaborar como pudermos, nem que seja para nos manter vivos. Agir como uma sociedade civilizada e organizada é essencial.

Muita calma nessa hora, gente!

Conversa de escritor. Ou será de torcedor?

Pois é, meus amigos, acabei de perceber que é praticamente impossível escrever um artigo, crônica, conto, post para o blog, o que quer que seja, ouvindo pelo rádio uma transmissão de um jogo de futebol com o meu Botafogo. O problema é que a cada ataque do time adversário, as ideias fecham os olhos e brotam aos borbotões, sem o menor nexo, sentido ou lógica quando meu time contra-ataca. O pensamento voa, possivelmente para um estádio distante, a criatividade desaparece a cada berro do locutor da partida (é, descobri que o pessoal do rádio ainda narra um jogo como se estivesse nos anos 60…), a gente se desespera quando o inimigo faz um gol, uma sensação de impotência toma conta de nossa mente e nossa alma e a única reação nem um pouco racional é xingar a mãe e toda a geração dos alemães, perdão, da torcida adversária. Noventa minutos de sofrimento depois a produção se resume a uma tela em branco no editor de textos. Perdi a inspiração, o trabalho, meu tempo e o jogo foi muito ruim.

Partida

Foto: Carlos Emerson Jr.

O tempo passa, a gente não liga e um belo dia, quando percebemos, estamos iguais ao teatro da foto, ruinas quem nem de longe lembram que ali brilhou nas décadas de 30 e 40, o Cassino da Urca, uma das joias do Rio de Janeiro. E aí finalmente entendemos que a hora de ir embora chegou ou está próxima e nos sentimos como nos versos do poeta, “porque metade de mim é partida, mas a outra metade é saudade…” Obrigado, Oswaldo Montenegro.