Deu no New York Times

Bom dia!

O editorial do NYT de hoje, traduzido e transcrito abaixo, é curto e grosso, apontando a irresponsabilidade,de uma elite política que só se preocupa com o povo na época de pedir seus votos. O castigo veio a cavalo, afinal o coronavírus não tem nada a ver com isso e uma quantidade enorme de participantes da festa está doente, inclusive o presidente dos Estados Unidos.

Parece até o nosso país, não é mesmo? O que os idiotas esquecem é que as vacinas ainda não estão prontas, os remédios são paliativos e sequer se sabe se quem já foi infectado está imune ao vírus. É claro que a quarentena não pode durar para sempre mas a abertura teve tudo menos critério científico e responsabilidade. Infelizmente as eleições de novembro estão aí e governadores, prefeitos e gente que não está nem aí para a saúde pública, agem às cegas, de olho apenas em sua votação. Aliás, a próprio evento em plena pandemia é simplesmente uma lástima!

Enfim, continuem evitando aglomerações, usem sempre a máscara e uma tenham uma ótima semana. Que Deus os abençoe.

Carlos Emerson Junior

oOo

Os sacrifícios de muitos

Por David Leonhardt (The New York Times)

Foto: Alex Brandon (Associated Press)

Milhões de americanos passaram meses sem ver alguns de seus parentes mais próximos ou seus colegas. Eles cancelaram casamentos e formaturas. Eles disseram adeus aos entes queridos moribundos por telefone.

Mas quando muitos dos líderes políticos do país se reuniram na Casa Branca há nove dias para comemorar a nomeação de Amy Coney Barrett para a Suprema Corte, eles decidiram que as regras da pandemia que se aplicavam a todos os outros não se aplicavam a eles.

Alguns deles presumiram, erroneamente , que, por terem recebido um teste de vírus de resposta rápida ao chegar à Casa Branca, não podiam ser infecciosos. Outros simplesmente optaram por não pensar no vírus, ao que parece. Em vez disso, dezenas deles estavam sentados, sem máscara, a centímetros um do outro . Eles apertaram as mãos, se abraçaram e se beijaram. Depois de começar ao ar livre, o evento mudou para um ambiente interno, onde os participantes continuaram a comemorar como se fosse 2019.

Agora há motivos para acreditar que a reunião foi um evento super-disseminador do coronavírus. O presidente e a primeira-dama estão doentes, assim como dois senadores presentes, um ex-governador, o presidente da Universidade de Notre Dame e vários funcionários da Casa Branca, jornalistas e outros.

E qualquer pessoa infectada na Casa Branca naquele dia pode ter infectado outras pessoas posteriormente.

Andrew Joseph, da publicação de saúde Stat escreveu neste fim de semana que o evento na Casa Branca “oferece um estudo de caso no que os especialistas dizem ter sido a imprudência do governo”. O Times compilou fotos do evento, com etiquetas que identificam muitos dos participantes .

Rebecca Ruiz do Mashable tuitou , em resposta a uma foto da recepção interna para Barrett: “Eu não abracei meus pais desde 8 de março e eles não abraçaram seus netos desde então. Eu queria desesperadamente dar as mãos ao avô no aniversário dela e eu disse não, não podemos correr esse risco. ”

David French, do site conservador The Dispatch, escreveu : “Que contraste impressionante com a maneira como tantos milhões de americanos viveram suas vidas”.

Talvez a resposta mais pungente veio do presidente da Notre Dame, o reverendo John Jenkins. Nesta primavera, Jenkins argumentou que as faculdades tinham a obrigação moral de reabrir , para o bem do “corpo, mente e espírito” de seus alunos. Mas Notre Dame faria isso com cuidado, ele prometeu. Quando alguns alunos violaram as regras do campus dando festas – sem máscaras ou distanciamento social – e um surto de vírus se seguiu, Jenkins cancelou as aulas presenciais por duas semanas como punição e precaução.

No início da semana passada, antes mesmo de ficar claro que a Casa Branca ajudou a espalhar o vírus, Jenkins escreveu uma carta à comunidade de Notre Dame expressando pesar por seu comportamento ali. “Não consegui dar o exemplo, em uma época em que pedi a todos os outros membros da comunidade Notre Dame que o fizessem”, escreveu ele. “Lamento especialmente meu erro à luz dos sacrifícios feitos diariamente por muitos.”

(Publicado na edição de hoje da Newsletters “Morning”, do The New York Times).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.