Fogo!

O inverno aqui na serra fluminense é muito frio e seco. Quando o mês de setembro chega, as matas, nascentes, riachos, animais e humanos estão de olho no céu, esperando uma nuvem que traga um pouco de chuva para aliviar a estiagem e dificultar a propagação dos inevitáveis incêndios florestais. No final da tarde da…… Continuar lendo Fogo!

Versos pandêmicos

Vivendo tempos estranhos, percebi a falta que fazem os visionários, loucos, idealistas e sonhadores. Meus Deus, onde foram parar os poetas? Lembrei a antiga boemia… Pura perda de tempo, meras ilusões perdidas nos longos e lentos dias vendo a vida atrás de uma janela. E se eu escrevesse um romance, novela, um conto que seja?…… Continuar lendo Versos pandêmicos

Aparências

Uma senhora distinta e elegante, saiu do consultório médico e ia direto para casa quando se lembrou do pedido da filha, comprar fraldas descartáveis para o netinho na  “Americanas”. Bem ao lado tinha uma e foi para lá mesmo que ela se encaminhou. A loja habitualmente cheia, naquele dia recebia ainda mais gente de olho…… Continuar lendo Aparências

A solidão dos sapatos

Sapatos. Uma porção deles, empilhados no pedal de um velho suporte de uma máquina de costura Singer, transformada com o passar do tempo em uma mesinha para porta-retratos. Sapatos, tênis, sandálias. Qualquer coisa que sirva para ir à rua e ficar empilhado na volta.   Ninguém repara. Os sapatos ao lado da porta de entrada do apartamento, estão…… Continuar lendo A solidão dos sapatos

Luzes no céu

Finalmente o governo americano admitiu que objetos voadores não identificados tem sido avistados por aviões civis e militares, captados pelos radares e rastreados por satélites desde que, sei lá, eu nasci! Demorou e aproveitando a deixa, resolvi abrir os meus próprios arquivos “X” e narrar a única experiência que tive com esse “fenômeno”, no final…… Continuar lendo Luzes no céu

Ventos frios

Da janela da sala acompanhava o vento balançar os galhos de uma árvore no jardim, como se tentasse derrubar duas rolinhas que teimosamente insistiam em permanecer pousadas em um galho bem fino. De repente, uma revoada de maritacas, aos gritos espantou o casal, possivelmente irritados com a habitual algazarra. Achou graça, baixou os olhos e…… Continuar lendo Ventos frios

A crônica sumiu!

Imaginemos a seguinte situação: o despertador toca, toca, mas nada acontece. Sua mulher resolve ver o que está acontecendo e surpresa! Não tem ninguém no quarto. Acreditando que é uma brincadeira fora de hora, vai checar no banheiro, na sala, no quarto das crianças. Nada. Já assustada, vai até o sótão, a garagem, a casinha…… Continuar lendo A crônica sumiu!

Complementos

Preparar um prato sem usar limão, cebola, tomate, cerejinhas, sal, pimentão, alsinha, manjericão, orégano e por vai é possível, mas o resultado final… Em homenagem aos ingredientes que dão sabor ao alimento nosso de cada dia, fotografei com um smartphone Samsung alguns desses valorosos e sempre disponíveis complementos, digamos assim, que alegram nosso paladar. A…… Continuar lendo Complementos

Prova de vida

Ah, aposentadoria, que sonho bom… Você contribui para o governo com uma parte dos ganhos do seu trabalho durante 35 anos e recebe de volta um lauto salário mensal até o fim de seus dias. Imagine, em plena terceira idade aproveitar o ócio dos justos, viajar o mundo inteiro, conhecer novas pessoas, costumes, línguas! E…… Continuar lendo Prova de vida

Contos e Crônicas

Bing Images “A vida não vale nada se você não tem uma boa história pra contar.”  (Pedro Bial, jornalista)  Pois é, meus caros, eu nem sei se minhas histórias valem isso tudo, mas vejam só, ao invés de terminar (mentira, iniciar) o preenchimento da declaração do imposto de renda de minha mulher, que vence no final do…… Continuar lendo Contos e Crônicas

Café

Foto: Carlos Emerson Jr Uma coisa que aprendi com minhas caminhadas é que quando estamos sozinhos, nossa cabeça fica tão cheia de pensamentos que muitas vezes perdemos pequenos detalhes do caminho que, por um motivo ou outro seriam interessantes. Por outro lado, acompanhados sempre conversamos, contamos casos, rimos, reclamamos, brigamos e de novo, talvez até…… Continuar lendo Café

Passado

Em uma rua completamente deserta de Friburgo, o orelhão repousa esquecido e cansado. Coitado, apenas uma relíquia das vozes do passado.

Tempos

Só quando vivemos tempos estranhos, percebemos a falta que fazem os visionários, os amantes, idealistas e sonhadores. Onde estarão os poetas?

Catavento

Foto: Carlos Emerson Junior O catavento é um dispositivo que aproveita a energia dos ventos para produzir trabalho. Sua origem é controversa, alguns acreditam que surgiu na Pérsia, por volta de 915 a.C, enquanto outros defendem seu emprego no Egito e na China. O catavento mais antigo conhecido é o Galo de San Isidoro de…… Continuar lendo Catavento

O Espelho (Mia Couto)

Esse que em mim envelhece assomou ao espelho a tentar mostrar que sou eu. Os outros de mim, fingindo desconhecer a imagem, deixaram-me a sós, perplexo, com meu súbito reflexo. A idade é isto: o peso da luz com que nos vemos. (Mia Couto, Idades Cidades Divindades, 2008)

Basta!

“A Academia Nacional de Medicina, em seus 191 anos de luta pela saúde da população brasileira e como instituição apolítica, manifesta enorme indignação pelo descaso, descuido e negligência por parte das autoridades governamentais e da classe política que seguem omissas e servis a interesses eleitorais, menosprezando a vida dos cidadãos. Como entidade de assessoramento à…… Continuar lendo Basta!

Publicado em
Categorizado como Crônicas

Sine Qua Non

O barulho da chuva caindo no telhado, escorrendo pelas correntes das calhas e o cheiro da terra molhada. O verde forte da vegetação encharcada. O Caledônia oculto nas nuvens escuras regando nossa cidade e todas as criaturas. O lusco-fusco entre o entardecer e o anoitecer. As cores das nuvens, alternando do branco ao laranja. As…… Continuar lendo Sine Qua Non

Só faltam 23 dias!

Mais uma segunda-feira! Mais uma semana! Menos de um mês! 2021 vem aí! Sim, e daí? Sua vida vai mudar? O isolamento vai acabar? O vírus vai ter cura? E os empregos, vão voltar? Vamos viajar outra vez? Sair à noite, encontrar os amigos, festejar qualquer coisa, ir à Igreja rezar? Deixaremos de achar “normal”…… Continuar lendo Só faltam 23 dias!